(Português) A crueldade da “farra do boi”

ORIGINAL LANGUAGES, 31 Dec 2018

David Arioch | Vegazeta – TRANSCEND Media Service

Proibida no Brasil há mais de 20 anos, a “farra do boi” ainda continua a ser realizada em Santa Catarina.

Na “farra do boi”, o animal é provocado, perseguido e violentado até não ter mais forças para se levantar. (Fotos: Reprodução)

26 dez 2018 – Proibida no Brasil há 20 anos, a “farra do boi” ainda continua a ser realizada ilegalmente em Santa Catarina, onde a prática quase sempre termina com a morte do animal, seja em decorrência da violência da “farra” ou da execução durante a captura do boi por parte da Polícia Militar.

O Projeto Esperança Animal (PEA) estima que todos os anos centenas de bois são torturados e mortos em diversas comunidades de Santa Catarina apenas por “diversão”. Embora a “farra do boi” se intensifique mais na época da Quaresma, também é realizada antes e depois do Natal; ou mesmo fora de época, quando o boi se torna vítima de algum tipo de celebração, que pode ser até mesmo um aniversário ou um casamento.

Na semana passada, por exemplo, durante a “farra do boi”, um bovino foi abatido no Rio Vermelho, em Florianópolis. Depois de ser provocado e violentado tantas vezes, o animal ficou agressivo. Quando a Polícia Militar o localizou, ele acabou morto, o que é muito comum, principalmente quando o animal não traz nenhum tipo de identificação. Inclusive os “farristas” fazem questão de tirar o brinco do boi para que seja difícil localizar o ex-proprietário do animal.

Na “farra do boi” normalmente o animal é comprado por um grupo de “sócios”, que são os realizadores, e solto e perseguido por pessoas das mais diferentes faixas etárias. Também há casos de doações de animais por parte de políticos. Quem não conhece a “farra do boi” pode achar que os “farristas” apenas correm atrás do animal e fogem dele. Mas a realidade é bem diferente. É comum os participantes usarem cordas, chicotes, pedras, pedaços de pau e até lanças de bambu e facas para golpearem o animal. Ou seja, a crueldade é bem evidente.

Os bois naturalmente tentam encontrar abrigo durante a perseguição, e nessas situações danos materiais são inevitáveis – e claro que como consequência da provocação e da violência humana. Na tentativa de escapar dos “farristas”, há animais que correm em direção ao mar e acabam morrendo afogados.

Os participantes costumam dizer que a “brincadeira” tem um viés religioso, já que a “farra do boi” é encarada como a “perseguição de Judas, o traidor de Cristo” – uma “herança cultural” herdada de seus ancestrais católicos, alegam. No entanto, além da Igreja Católica não aprovar a prática, organizações que atuam em defesa dos animais sempre frisam que é apenas violência pela violência, já que não há a mesma preocupação em relação a outros elementos inofensivos da cultura açoriana como “O Boi de Mamão” e o “Pão-por-Deus”.

De acordo com o Projeto Esperança Animal, a “farra do boi” é tão cruel que já houveram casos em que os “farristas” jogaram pimenta nos olhos dos animais e os arrancaram. Também os banharam em gasolina e atearam fogo. Outro exemplo surpreendente é a quebra dos cornos e patas, além do corte do rabo do animal durante a perseguição. “Os bois podem ser esfaqueados e espancados, mas há um ‘cuidado’ para que o animal permaneça vivo até o final da ‘brincadeira’”, enfatiza o PEA.

Segundo publicação da BBC, só no ano passado a Polícia Militar de Santa Catarina registrou mais de 147 ocorrências de “farra do boi” – que tem a pequena Governador Celso Ramos como o “maior reduto de farra do boi” do Brasil. Há episódios em que um animal foi perseguido por dois ou até três dias até ceder sem forças e morrer. Ao final, os participantes retalharam o animal e dividiram a carne.

A “farra do boi” foi proibida no Brasil pelo Supremo Tribunal Federal (STF), quando os ministros a qualificaram como “intrinsecamente cruel”. Portanto, quem for detido participando da “farra do boi” pode ser condenado a um ano de prisão, conforme a Lei de Crimes Ambientais (9.605/1998).

_____________________________________________

David Arioch é jornalista profissional, historiador e especialista em jornalismo cultural, histórico e literário.

 

 

Go to Original – vegazeta.com.br

 

Share this article:


DISCLAIMER: The statements, views and opinions expressed in pieces republished here are solely those of the authors and do not necessarily represent those of TMS. In accordance with title 17 U.S.C. section 107, this material is distributed without profit to those who have expressed a prior interest in receiving the included information for research and educational purposes. TMS has no affiliation whatsoever with the originator of this article nor is TMS endorsed or sponsored by the originator. “GO TO ORIGINAL” links are provided as a convenience to our readers and allow for verification of authenticity. However, as originating pages are often updated by their originating host sites, the versions posted may not match the versions our readers view when clicking the “GO TO ORIGINAL” links. This site contains copyrighted material the use of which has not always been specifically authorized by the copyright owner. We are making such material available in our efforts to advance understanding of environmental, political, human rights, economic, democracy, scientific, and social justice issues, etc. We believe this constitutes a ‘fair use’ of any such copyrighted material as provided for in section 107 of the US Copyright Law. In accordance with Title 17 U.S.C. Section 107, the material on this site is distributed without profit to those who have expressed a prior interest in receiving the included information for research and educational purposes. For more information go to: http://www.law.cornell.edu/uscode/17/107.shtml. If you wish to use copyrighted material from this site for purposes of your own that go beyond ‘fair use’, you must obtain permission from the copyright owner.


Comments are closed.