(Português) Especialistas alertam: girafas enfrentam uma extinção silenciosa

ORIGINAL LANGUAGES, 26 Aug 2019

Eliane Arakaki - ANDA Agência de Notícias de Direitos Animais

Mãe e filho vistos juntos nas planícies de Laikipia, Kenya.
 | Foto: ROBERT MUCKLEY/GETTY

20 ago 2019 – Conservacionistas estão se preparando para lançar uma iniciativa urgente para salvar as girafas da extinção.

Neste fim de semana, representantes de nações de todo o mundo se reunirão na Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies Ameaçadas de Fauna e Flora Silvestres (CITES).

Medidas e esforços para proteger girafas, onças e lontras asiáticas estarão na agenda do encontro; os delegados também vão lançar uma proposta para combater o comércio internacional de animais selvagens.

Infelizmente o comércio internacional de novas espécies de tubarões não pode ser completamente parado porém medidas de regulamentação para melhorar a gestão das pescarias que capturam dezenas de milhões de tubarões por ano para suprir a demanda por barbatanas e carne serão discutidas.

E o comércio de marfim e chifres de rinoceronte também estará de volta à agenda.

A reunião vem na sequência de uma importante avaliação global da natureza, apoiada pela ONU, que alertou que cerca de um milhão de espécies estão em risco de extinção, com a exploração excessiva, incluindo caça e comércio, causando parte do problema.

Entre as propostas em discussão está uma proposta da República Centro-Africana, Chade, Quênia, Mali, Níger e Senegal para regulamentar o comércio de produtos de girafas, considerados vulneráveis à extinção.

No que foi descrito como uma “extinção silenciosa”, os números de girafas caíram em até 40% nos últimos 30 anos devido a ameaças que incluem o comércio de partes, bem como perda de habitat, caça e guerra civil, disseram os conservacionistas.

Matt Collis, diretor de política internacional do Fundo Internacional para o Bem-Estar Animal (IFAW, na sigla em inglês), disse: “É importante que as girafas sejam listadas pela CITES porque atualmente não podemos dizer com certeza ‘quanto’ do seu enorme declínio populacional é devido ao comércio de partes do seu corpo”.

“Sabemos que esse é um fator significativo, já que o único país que atualmente coleta dados sobre o comércio de girafas, os EUA, registrou quase 40 mil itens de girafas negociados em uma década, de 2006 a 2015.”

Ele disse que listar a espécie no apêndice II. do tratado, regulamentaria o comércio de partes de girafas, e isso seria vital para impedir esse comércio ilegal e insustentável.

Foto: Msu.edu

Os jaguares já têm o nível mais alto de proteção que as espécies do apêndice I que proíbem a maior parte do comércio internacional, mas há evidências de um crescente comércio ilegal da espécie em face da demanda por partes de grandes felinos na medicina tradicional.

E haverá um debate renovado sobre os elefantes com vários países africanos que buscam mudanças que lhes permitam vender seus estoques de marfim, a fim de apoiar uma maior conservação.

No entanto, outras nações africanas estão buscando uma contraproposta que mostre todas as populações de elefantes africanos listadas no apêndice I.

Collis alertou que as vendas antecipadas de marfim (apreendido) estimulam a caça oferecendo cobertura para vendas ilegais, o diretor afirmou ainda que era “não é uma maneira viável de lidar com a crise”.

Ele pediu que os países lidassem com seus próprios mercados domésticos para o marfim e fornecessem os recursos necessários para os principais países protegerem suas populações de elefantes no local.

Dois países africanos também querem relaxar as regras que protegem os rinocerontes para permitir o comércio de chifres, animais vivos e troféus de caça.

____________________________________________

A imprensa não apenas informa. Ela forma conceitos. Modifica ideias. Influencia decisões. Define valores. Participa das grandes mudanças sociais e políticas trazendo o mundo para o indivíduo pensar, agir e ser. É justamente este o objetivo da ANDA – Agência de Notícias de Direitos Animais: informar para transformar. A ANDA difunde na mídia os valores de uma nova cultura, mais ética, mais justa e preocupada com a defesa e a garantia dos direitos animais. É o primeiro portal jornalístico do mundo voltado exclusivamente a fatos e informações do universo animal. Com profissionalismo, seriedade e coragem, a ANDA abre um importante canal com jornalistas de todas as mídias e coloca em pauta assuntos que até hoje não tiveram o merecido espaço ou foram mal debatidos na imprensa.

Go to Original – anda.jor.br


Tags: , , , , , , , , , , , ,

 

Share this article:


DISCLAIMER: The statements, views and opinions expressed in pieces republished here are solely those of the authors and do not necessarily represent those of TMS. In accordance with title 17 U.S.C. section 107, this material is distributed without profit to those who have expressed a prior interest in receiving the included information for research and educational purposes. TMS has no affiliation whatsoever with the originator of this article nor is TMS endorsed or sponsored by the originator. “GO TO ORIGINAL” links are provided as a convenience to our readers and allow for verification of authenticity. However, as originating pages are often updated by their originating host sites, the versions posted may not match the versions our readers view when clicking the “GO TO ORIGINAL” links. This site contains copyrighted material the use of which has not always been specifically authorized by the copyright owner. We are making such material available in our efforts to advance understanding of environmental, political, human rights, economic, democracy, scientific, and social justice issues, etc. We believe this constitutes a ‘fair use’ of any such copyrighted material as provided for in section 107 of the US Copyright Law. In accordance with Title 17 U.S.C. Section 107, the material on this site is distributed without profit to those who have expressed a prior interest in receiving the included information for research and educational purposes. For more information go to: http://www.law.cornell.edu/uscode/17/107.shtml. If you wish to use copyrighted material from this site for purposes of your own that go beyond ‘fair use’, you must obtain permission from the copyright owner.


There are no comments so far.

Join the discussion!

We welcome debate and dissent, but personal — ad hominem — attacks (on authors, other users or any individual), abuse and defamatory language will not be tolerated. Nor will we tolerate attempts to deliberately disrupt discussions. We aim to maintain an inviting space to focus on intelligent interactions and debates.

*

code

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.