(Português) Milhares de macacos são mortos pela indústria do tráfico de carne de animais selvagens

ORIGINAL LANGUAGES, 23 Sep 2019

Eliane Arakaki - ANDA Agência de Notícias de Direitos Animais

Embora o comércio da carne de animais selvagens seja ilegal, uma mistura de penalidades mínimas e fronteiras com vigilância frouxa permitem que a atividade cresça cada vez mais.

Foto: Mirror Reprodução

18 set 2019 – Mantido atrás das grades em uma minúscula gaiola pelo primeiro ano de sua vida, desde que sua mãe e sua família foram baleados e mortos, o chimpanzé acima é uma das vítimas trágicas de um comércio intenso de carne de animais silvestres que é alimentado pela demanda do Reino Unido, Europa e EUA.

Animais selvagens têm sido caçados por comunidades rurais na África há milhares de anos como fonte de alimento.

Mas agora milhares de macacos estão sendo mortos a sangue frio e depois contrabandeados para cidades na Grã-Bretanha, Europa e EUA – como parte de uma lucrativa rede internacional de crimes que coloca os chimpanzés da África Ocidental em perigo de extinção.

O principal cientista especializado em primatas, Dr. Ben Garrod, alertou: “Eu quase posso garantir que a carne africana de animais selvagens foi ilegalmente contrabandeada para uma das grandes metrópoles mundiais”.

Seja servida como iguaria fina em casamentos britânicos ou vendida como “carne seca” em barracas de mercado, ele acrescentou: “Esse comércio não é apenas devastador para a vida selvagem afetada por ele, mas também tem o potencial de ser inimaginavelmente perigoso para nós também através da disseminação de doenças graves como o ebola, na medida em que a carne é insalubre e os chimpanzés são muito semelhantes geneticamente aos seres humanos”.

Foto: Mirror Reprodução

A quantidade de carne de caça ilegal também conhecida como “bushmeat” apreendida pelas Forças de Fronteira dobrou nos últimos cinco anos.

Um total de 1.149kg de carne de animais silvestres foi apreendido em portos e aeroportos e em pacotes divulgados em 2018-19, acima dos 946kg no ano anterior e 544kg em 2014-15, segundo dados divulgados pelo Ministério da Fazenda Inglês sob a Liberdade de Lei de Informação.

Mas essa quantidade é apenas a ponta do iceberg, disse o professor Garrod, porque grande parte da carne confiscada não é registrada antes de ser incinerada.

Ele pediu testes de DNA em carne confiscada pela Força de Fronteira para estabelecer as espécies e a origem para atacar o problema na fonte.

O professor de Biologia Evolutiva e Engajamento Científico da Universidade de East Anglia, Norwich e autor de The Chimpanzee and Me (O Chimpanzé e Eu), explicou: “A carne de animais selvagens é considerado um grande negócio pelos traficantes”.

“Mas agora existe um lado diferente do problema que constitui a base de um lucrativo fenômeno criminal”.

Foto: Mirror Reprodução

O macaquinho de quatro anos, na foto, batizado de Winner, é a mesma que dos inúmeros órfãos desse “desastre da conservação de espécies”.

Encontrado perto da fronteira da Libéria com a Guiné no verão de 2017, ele havia sido trancado em uma caixa minúscula tão pequena que mal conseguia caber dentro dela e era libertado apenas uma vez por semana – e depois preso por um ano inteiro.

Ele agora reside ao lado de outros 45 chimpanzés resgatados em um santuário na Libéria, mas o trauma de ter vivido preso por tampo tempo, o marcou severamente e agora ele acha difícil se misturar.

“A história de Winner é trágica, mas se você acha que ele é o único, tem muito mais coisa por vir”, disse o Dr. Ben Garrod.

“Você não pode simplesmente entrar em uma floresta e pegar um bebê chimpanzé. Você tem que matar a mãe deles e outros no grupo por sua carne. Os bebês mal valem a pena comer, mas valem milhares de libras no comércio de animais domésticos”.

“É por isso que vemos tantos órfãos – o subproduto trágico do comércio de carne de animais selvagens”.

Embora cerca de 500 espécies de animais sejam caçadas, os gorilas, os bonobos e os chimpanzés são alvejados devido ao tempo gasto nas árvores, tornando mais fácil sua morte.

Porém, devido à infância prolongada e aos longos períodos entre os nascimentos, as populações demoram muito tempo a se recuperar, deixando os chimpanzés da África Ocidental agora em risco de extinção.

Foto: Mirror Reprodução

Jenny Desmond, fundadora do Liberia Chimpanzee Rescue and Protection, criado há quatro anos, explicou como, embora a carne de animais selvagens seja ilegal, uma mistura de penalidades mínimas, fronteiras e cultura frouxas permitem que o comércio floresça cada vez mais.

“Bushmeat (carne de animais selvagens) é um comércio desenfreado por aqui. A carne é vendida abertamente nos mercados, mas também sabemos que está sendo contrabandeada para fora de fronteiras em portos e aeroportos maiores para chegar ao Reino Unido e aos EUA.

“Aqui na Libéria, essa é a maior ameaça à nossa população de chimpanzés.

“Os órfãos chegam literalmente chocados com dedos faltando por se agarrarem desesperadamente às mães e, muitas vezes, com pedaços de estilhaços na carne como resultado dos disparos de armas nos outros membros do grupo”.

Ela contou que agora seu trabalho, ao lado do marido veterinário Jimmy, é feito em duas bases: a aplicação da lei e o bem-estar dos animais.

“Não queremos conhecer esses bebês. Eles deveriam viver na natureza com suas mães, não em nosso santuário.

“Se nos sentarmos e permitirmos que esse comércio continue no futuro próximo, essa espécie majestosa poderá ser exterminada. Protegê-los significa proteger a biodiversidade de toda a floresta”.

A Autoridade de Desenvolvimento Florestal da Libéria disse: “Os chimpanzés da África Ocidental são uma espécie criticamente ameaçada, esse comércio esta colocando-os em risco de extinção”.

“É extremamente importante observar que para cada chimpanzé vendido, estima-se que cinco a dez foram mortos”.

“Esta atividade criminosa está dizimando as populações selvagens da Libéria a um ritmo alarmante.

Conhecidos como “Jardineiros da Floresta”, os chimpanzés protegem nossa sobrevivência e são uma espécie fundamental para toda a vida selvagem”.

____________________________________________

A imprensa não apenas informa. Ela forma conceitos. Modifica ideias. Influencia decisões. Define valores. Participa das grandes mudanças sociais e políticas trazendo o mundo para o indivíduo pensar, agir e ser. É justamente este o objetivo da ANDA – Agência de Notícias de Direitos Animais: informar para transformar. A ANDA difunde na mídia os valores de uma nova cultura, mais ética, mais justa e preocupada com a defesa e a garantia dos direitos animais. É o primeiro portal jornalístico do mundo voltado exclusivamente a fatos e informações do universo animal. Com profissionalismo, seriedade e coragem, a ANDA abre um importante canal com jornalistas de todas as mídias e coloca em pauta assuntos que até hoje não tiveram o merecido espaço ou foram mal debatidos na imprensa.

Go to Original – anda.jor.br


Tags: , , , , , , , , , , , , , , ,

 

Share this article:


DISCLAIMER: The statements, views and opinions expressed in pieces republished here are solely those of the authors and do not necessarily represent those of TMS. In accordance with title 17 U.S.C. section 107, this material is distributed without profit to those who have expressed a prior interest in receiving the included information for research and educational purposes. TMS has no affiliation whatsoever with the originator of this article nor is TMS endorsed or sponsored by the originator. “GO TO ORIGINAL” links are provided as a convenience to our readers and allow for verification of authenticity. However, as originating pages are often updated by their originating host sites, the versions posted may not match the versions our readers view when clicking the “GO TO ORIGINAL” links. This site contains copyrighted material the use of which has not always been specifically authorized by the copyright owner. We are making such material available in our efforts to advance understanding of environmental, political, human rights, economic, democracy, scientific, and social justice issues, etc. We believe this constitutes a ‘fair use’ of any such copyrighted material as provided for in section 107 of the US Copyright Law. In accordance with Title 17 U.S.C. Section 107, the material on this site is distributed without profit to those who have expressed a prior interest in receiving the included information for research and educational purposes. For more information go to: http://www.law.cornell.edu/uscode/17/107.shtml. If you wish to use copyrighted material from this site for purposes of your own that go beyond ‘fair use’, you must obtain permission from the copyright owner.


There are no comments so far.

Join the discussion!

We welcome debate and dissent, but personal — ad hominem — attacks (on authors, other users or any individual), abuse and defamatory language will not be tolerated. Nor will we tolerate attempts to deliberately disrupt discussions. We aim to maintain an inviting space to focus on intelligent interactions and debates.

*

code

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.