(Português) ONG expõe crueldade que antecede o abate de animais

ORIGINAL LANGUAGES, 30 Sep 2019

David Arioch | Vegazeta – TRANSCEND Media Service

No vídeo, é possível ver animais sendo arremessados e recebendo chutes, pisadas, socos e outros tipos de agressões.

26 set 2019 – A ONG espanhola Equalia publicou na semana passada o resultado de uma investigação que mostra a cruel realidade que antecede o abate de cordeiros e ovelhas.

Defendendo a instalação de câmeras de monitoramento em matadouros, a organização apresenta imagens que normalmente estão bem distantes dos olhos do público no mundo todo.

No vídeo, é possível ver animais sendo arremessados e recebendo chutes, pisadas, socos e outros tipos de agressões. Alguns levam vários golpes consecutivos na cabeça e são arrastados como se não fossem criaturas sencientes.

Animais extremamente doentes são jogados sobre os saudáveis e abandonados para morrer – agonizando por até dez horas. Outros são mantidos em ambientes escuros e repletos de sujeira, fezes e urina. Um deles, bastante combalido, se mostra incapaz de abrir os olhos enquanto treme sem parar.

As investigações da Equalia também revelam grande quantidade de pulgas no ambiente em que os ovinos são mantidos em confinamento antes da morte.

Os cordeiros tentam lutar pela vida e logo começam a se debater durante o processo de abate. Pequenos e incapazes de fugir, eles testemunham a morte de seus companheiros enquanto amargam o mesmo destino.

Uma das vítimas chega a ficar pendurada por 30 minutos enquanto assiste a morte de outros ovinos.

Organização defende instalação de câmeras de monitoramento em matadouros. (Imagens: Equalia)

No Brasil, cordeiros são mortos cada vez mais cedo

A expectativa de vida do cordeiro caiu ainda mais nos últimos dez anos no Brasil. O animal que já era abatido de forma precoce com idade de cinco a seis meses, atualmente é morto com três meses.

O que mudou é que hoje o padrão já é criar o animal em um regime mais intensivo, o que significa mais privação e mais condicionamento nutricional visando ampliar o peso do cordeiro em um período muito menor de tempo.

No estado de São Paulo, o que favoreceu esse sistema de produção foi a chamada Tecnologia IZ, desenvolvida na década passada pelo Instituto de Zootecnia de São Paulo, vinculado à Secretaria de Agricultura e Abastecimento.

Um bebê pendurado sobre grilhões pelas patas traseiras e degolado

Após um período de jejum de 16 a 24 horas, o abate é feito com um porrete ou uma pistola pneumática. O cordeiro é imobilizado e recebe uma pancada violenta na cabeça, ou então é acionado um dispositivo que atinge o seu cérebro como uma agulha grossa, o deixando atordoado.

Assim que cai, é pendurado sobre grilhões pelas patas traseiras e degolado. O sangue desse filhote de poucos meses, que se debate durante o abate, é usado na culinária. Depois de sangrado, esfolado, eviscerado, decapitado, além de ter suas patas e glândulas mamárias removidas, extrai-se os rins.

Cordeiros poderiam chegar a 15 e até 20 anos

Do rabo, são mantidas algumas poucas vértebras. Suas partes não comestíveis são descartadas no lixo, como se não houvessem razão para existir. Então o cordeiro é refrigerado até esfriar, quando se inicia o processo de corte.

Morto ainda muito jovem, ele poderia chegar a 15 e até 20 anos caso não fosse reduzido a produto. Depois de esquartejado, seus pedaços são vendidos no atacado e no varejo – os mais procurados são o lombo, pernil, costela, picanha, peito, ombro e braço. Essas são as partes que as pessoas mais gostam de consumir e que são provenientes de uma criança de outra espécie.

_____________________________________________

 

David Arioch é jornalista profissional, historiador e especialista em jornalismo cultural, histórico e literário.

 

Go to Original – vegazeta.com.br


Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

 

Share this article:


DISCLAIMER: The statements, views and opinions expressed in pieces republished here are solely those of the authors and do not necessarily represent those of TMS. In accordance with title 17 U.S.C. section 107, this material is distributed without profit to those who have expressed a prior interest in receiving the included information for research and educational purposes. TMS has no affiliation whatsoever with the originator of this article nor is TMS endorsed or sponsored by the originator. “GO TO ORIGINAL” links are provided as a convenience to our readers and allow for verification of authenticity. However, as originating pages are often updated by their originating host sites, the versions posted may not match the versions our readers view when clicking the “GO TO ORIGINAL” links. This site contains copyrighted material the use of which has not always been specifically authorized by the copyright owner. We are making such material available in our efforts to advance understanding of environmental, political, human rights, economic, democracy, scientific, and social justice issues, etc. We believe this constitutes a ‘fair use’ of any such copyrighted material as provided for in section 107 of the US Copyright Law. In accordance with Title 17 U.S.C. Section 107, the material on this site is distributed without profit to those who have expressed a prior interest in receiving the included information for research and educational purposes. For more information go to: http://www.law.cornell.edu/uscode/17/107.shtml. If you wish to use copyrighted material from this site for purposes of your own that go beyond ‘fair use’, you must obtain permission from the copyright owner.


There are no comments so far.

Join the discussion!

We welcome debate and dissent, but personal — ad hominem — attacks (on authors, other users or any individual), abuse and defamatory language will not be tolerated. Nor will we tolerate attempts to deliberately disrupt discussions. We aim to maintain an inviting space to focus on intelligent interactions and debates.

*

code

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.