(Português) Nova Investigação Expõe Crueldade dos Testes em Animais (Video)

ORIGINAL LANGUAGES, 21 Oct 2019

David Arioch | Vegazeta – TRANSCEND Media Service

Os testes de toxicidade envolvem envenenamento de animais como meio de avaliar se um produto químico é capaz de causar danos à saúde humana.

Ainda que os animais se sintam muito mal, eles são privados de qualquer anestesia ou medicamento que ajude a aliviar a dor.  (Imagens: CFI)

15 de out 2019 – Os resultados de uma investigação divulgada no último dia 11 pela organização Cruelty Free International em parceria com a SOKO Tierschutz expõem o sofrimento e tortura dos animais utilizados em exames toxicológicos em um laboratório alemão que presta serviços para empresas farmacêuticas, industriais e agroquímicas de diversas partes do mundo.

Os testes de toxicidade envolvem envenenamento de animais como meio de avaliar se um produto químico é capaz de causar danos à saúde humana. Nesse caso, os animais são obrigados a ingerir ou inalar uma determinada substância. Ainda que os animais se sintam muito mal, eles são privados de qualquer anestesia ou medicamento que ajude a aliviar a dor.

“Estamos pedindo uma revisão abrangente do uso de animais em testes de toxicidade na Europa, incluindo o Reino Unido. Toda investigação, sem falhas, mostra um retrato semelhante de miséria e desrespeito à lei”, disse a diretora-executiva da CFI em comunicado oficial.

A investigação deu origem a um vídeo de pouco mais de oito minutos que mostra o sofrimento imposto a macacos, cães e gatos. Há animais que tentam resistir, mas são contidos por meio de instrumentos específicos que os imobilizam e permitem que sejam abusados das mais diversas formas.

As imagens também mostram animais assustados, que tentam evitar qualquer tipo de contato humano em decorrência do estado de privação e sofrimento aos quais são submetidos de forma contínua. Os mais resistentes chegam a ser agredidos antes de receberem substâncias químicas que comprometem sua saúde, reduzem suas expectativas de vida e os matam de forma dolorosa.

É possível ver animais mantidos em confinamento, em pequenas gaiolas, para serem utilizados como cobaias. “Nossa investigação descobriu um terrível sofrimento animal, cuidados inadequados, práticas inadequadas e violações das leis europeias e alemãs. Estamos pedindo que o Laboratório de Farmacologia e Toxicologia (LPT) seja fechado “, informou Michelle Thew.

Você pode se manifestar contra os testes em animais abordados na matéria e exibidos no vídeo abaixo, clicando aqui. 

Testes de agrotóxicos com dezenas de cães

Em abril, após a divulgação de um vídeo da organização Humane Society International (HSI) revelar que a Dow AgroSciences, que atua no Brasil, estava financiando testes de agrotóxicos com dezenas de cães nos laboratórios Charles River em Michigan, nos Estados Unidos, a multinacional decidiu libertar os beagles usados como cobaias.

A filmagem baseada nas investigações da HSI mostra que durante 100 dias os animais foram submetidos a 20 experimentos laboratoriais de curto e longo prazo. Em um dos testes encomendados pela Dow AgroSciences, 36 beagles foram alimentados à força com altas doses de fungicidas. Segundo o investigador da organização, os animais que sobrevivessem às experiências seriam sacrificados em julho.

Porém, com a repercussão da denúncia, os animais foram encaminhados para a Humane Society Michigan, que se responsabilizou em encontrar lares adequados para cada um dos sobreviventes.

No entanto, é importante destacar que para conseguir a libertação dos beagles a Dow alegou que teve de dialogar com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), vinculada ao Ministério da Saúde do Brasil, que segundo a empresa, foi quem exigiu a realização dos testes para a regulamentação dos novos agrotóxicos da marca no país.

Ativistas qualificam testes em animais como ultrapassados

Em julho, durante audiência pública da Comissão de Meio ambiente na Câmara dos Deputados, que visava discutir principalmente o uso de cães da raça beagle em testes de segurança de produtos, ativistas defenderam o fim dos testes em animais em cosméticos, agrotóxicos e medicamentos.

A ativista e atriz Alexia Dechamps declarou que já existem alternativas aos testes em animais e destacou que a demora em substituir esses métodos apenas prejudica o Brasil, já que traz inclusive consequências econômicas.

“Enquanto estivermos utilizando essas práticas, estamos perdendo mercado, porque muitos países não querem comprar mais do Brasil, assim como pelo uso abusivo de agrotóxicos”, enfatizou Alexia.

Cientistas brasileiros criam organoides a partir de células humanas

Vale lembrar que cientistas brasileiros do Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (Cnpem) estão desenvolvendo organoides feitos com células humanas, em escala micrométrica, e exercem a mesma função de órgãos humanos como intestino e fígado.

Para avaliar a eficácia dos miniórgãos, o Cnpem já realizou testes utilizando paracetamol, que é uma droga farmacológica bastante consumida no Brasil e sobre a qual se tem uma gama de informações em relação aos efeitos em humanos.

“O que a gente conseguiu mostrar nesse estudo inédito foi que o intestino artificial que a gente construiu em laboratório, bem como o fígado, se comportaram de maneira semelhante ao corpo humano”, explicou a pesquisadora Talita Marin.

E acrescentou: “Ou seja, o nosso intestino conseguiu absorver o paracetamol e o fígado metabolizou esse paracetamol e também demonstrou efeitos tóxicos do paracetamol, como acontece no ser humano também.”

De acordo com a pesquisadora, os miniórgãos reproduzem as funções biológicas e genéticas do organismo humano com muita semelhança. Nesse sistema, os órgãos foram conectados entre si por um fluxo sanguíneo e ligados a equipamentos que reproduzem as condições fisiológicas do corpo humano.

“Essa tecnologia que nós estamos implementando e desenvolvendo tem esse intuito, de ser um teste mais robusto, diminuir o custo do desenvolvimento de medicamentos e, ao mesmo tempo, ser mais ético, porque reduz o número de [testes em] animais”, enfatizou Talita Marin e acrescenta que o próximo passo é  testar outros medicamentos de efeitos bem conhecidos utilizando o mesmo modelo.

_____________________________________________

 

David Arioch é jornalista profissional, historiador e especialista em jornalismo cultural, histórico e literário.

 

Go to Original – vegazeta.com.br


Tags: , , , ,

 

Share this article:


DISCLAIMER: The statements, views and opinions expressed in pieces republished here are solely those of the authors and do not necessarily represent those of TMS. In accordance with title 17 U.S.C. section 107, this material is distributed without profit to those who have expressed a prior interest in receiving the included information for research and educational purposes. TMS has no affiliation whatsoever with the originator of this article nor is TMS endorsed or sponsored by the originator. “GO TO ORIGINAL” links are provided as a convenience to our readers and allow for verification of authenticity. However, as originating pages are often updated by their originating host sites, the versions posted may not match the versions our readers view when clicking the “GO TO ORIGINAL” links. This site contains copyrighted material the use of which has not always been specifically authorized by the copyright owner. We are making such material available in our efforts to advance understanding of environmental, political, human rights, economic, democracy, scientific, and social justice issues, etc. We believe this constitutes a ‘fair use’ of any such copyrighted material as provided for in section 107 of the US Copyright Law. In accordance with Title 17 U.S.C. Section 107, the material on this site is distributed without profit to those who have expressed a prior interest in receiving the included information for research and educational purposes. For more information go to: http://www.law.cornell.edu/uscode/17/107.shtml. If you wish to use copyrighted material from this site for purposes of your own that go beyond ‘fair use’, you must obtain permission from the copyright owner.


There are no comments so far.

Join the discussion!

We welcome debate and dissent, but personal — ad hominem — attacks (on authors, other users or any individual), abuse and defamatory language will not be tolerated. Nor will we tolerate attempts to deliberately disrupt discussions. We aim to maintain an inviting space to focus on intelligent interactions and debates.

*

code

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.