(Português) Em paralelo à Cúpula dos BRICS, Brasil receberá o “BRICS dos Povos” em novembro

ORIGINAL LANGUAGES, 11 Nov 2019

Brasil de Fato – TRANSCEND Media Service

Movimentos populares, sindicatos e partidos debatem questões comuns entre Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul.

Pesquisadores e militantes dos cinco países debaterão temas como imperialismo, crise econômica e política, solidariedade e integração / Divulgação

 26 Out 2019 – Movimentos populares, sindicatos e partidos políticos dos países que formam o Brics – grupo que reúne Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul – se reunirão em Brasília (DF) nos dias 11 e 12 de novembro para o “Brics dos Povos”. A data, o local e o nome do evento foram escolhidos para fazer um paralelo à cúpula que reunirá representantes de governos, a qual será realizada dois dias depois, também na capital federal.

Pesquisadores e militantes dos cinco países debaterão temas como imperialismo, crise econômica e política, solidariedade internacional e integração dos povos. A expectativa é que o evento reúna cerca de 300 pessoas. Entre os confirmados, estão representantes das organizações Numsa, sindicato de metalúrgicos da África do Sul; Safai Karmachari Andolan, movimento que reúne dalits (nível mais inferior pelo sistema de casta da Índia); e da Academia de Ciência Russa.

João Pedro Stedile, da direção nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), uma das entidades organizadoras do Brics dos Povos, alerta para a superficialidade da reunião oficial entre governos que será realizada nos dias 13 e 14. “A Cúpula dos Brics vai reunir os governos e os presidentes. Tememos que suas pautas serão apenas meros acordos comerciais e de articulação financeira de projetos a serem financiados pelo Banco dos Brics”, explica.

“Os Brics são uma proposta de articulação regional que visa justamente denunciar o imperialismo dos Estados Unidos, pela dominação econômica, pelo dólar e pela manipulação de outros organismos internacionais, como FMI [Fundo Monetário Internacional], Banco Mundial e OMC [Organização Mundial do Comércio]”, completa, ressaltando o objetivo de criação do Brics.

Outro tema que preocupa os organizadores do “Brics dos Povos” é o avanço das forças ultraconservadoras em países como Brasil e Índia, o que impõe novos desafios em comum – inclusive do ponto de vista dos meios de comunicação e das redes sociais, para impedir que interesses externos sigam impactando os processos eleitorais.

“O Brasil e a Índia têm governos de direita, caracterizados como neofascistas. O do Brasil é totalmente subserviente aos interesses do governo dos Estados Unidos. Já a Índia tem contradições com o governo estadunidense, apesar de ser de direita a nível interno”, analisa Stedile. “O governo da África do Sul é um governo neodesenvolvimentista, mas em condições em que o apartheid econômico e social continua. Ao lado do Brasil, são os dois países de maior desigualdade social e de concentração de riqueza do mundo”.

Nalu Faria, da direção nacional da Marcha Mundial das Mulheres, aponta que um dos maiores desafios é buscar a unidade internacional diante das derrotas sofridas pela classe trabalhadora nos cinco países. “Houve uma mudança na disputa geopolítica no mundo. E nós, como povos, precisamos estar muito articulados para que as nossas demandas e a nossa soberania sejam colocadas em primeiro lugar”, afirma.

“É a nossa força como povo organizado que vai, nessa disputa geopolítica, garantir ou construir esse sentido de uma transformação que seja capaz de desmantelar todo esse sistema de opressão, exploração, discriminação. Nós queremos construir a luta desde uma perspectiva anticapitalista, entendendo que o capitalismo é um modelo patriarcal, racista, LGBTfóbico e depredador da natureza”, acrescenta a militante.

Confira a programação prévia:

  • 11/11/2019 – segunda-feira
    • Mesa 1: Imperialismo, geopolítica internacional, o papel dos Brics e dos povos
    • Mesa 2: Crise econômica, social e ambiental e as alternativas populares de desenvolvimento
  • 12/11/2019 – terça-feira
    • Mesa 3: Crise Política Internacional e a luta popular
    • Mesa 4: Desafios do internacionalismo, da solidariedade e da integração dos povos

________________________________________________

Read in English | Leer en español

Edição: Camila Maciel

Go to Original – brasildefato.com.br


Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

 

Share this article:


DISCLAIMER: The statements, views and opinions expressed in pieces republished here are solely those of the authors and do not necessarily represent those of TMS. In accordance with title 17 U.S.C. section 107, this material is distributed without profit to those who have expressed a prior interest in receiving the included information for research and educational purposes. TMS has no affiliation whatsoever with the originator of this article nor is TMS endorsed or sponsored by the originator. “GO TO ORIGINAL” links are provided as a convenience to our readers and allow for verification of authenticity. However, as originating pages are often updated by their originating host sites, the versions posted may not match the versions our readers view when clicking the “GO TO ORIGINAL” links. This site contains copyrighted material the use of which has not always been specifically authorized by the copyright owner. We are making such material available in our efforts to advance understanding of environmental, political, human rights, economic, democracy, scientific, and social justice issues, etc. We believe this constitutes a ‘fair use’ of any such copyrighted material as provided for in section 107 of the US Copyright Law. In accordance with Title 17 U.S.C. Section 107, the material on this site is distributed without profit to those who have expressed a prior interest in receiving the included information for research and educational purposes. For more information go to: http://www.law.cornell.edu/uscode/17/107.shtml. If you wish to use copyrighted material from this site for purposes of your own that go beyond ‘fair use’, you must obtain permission from the copyright owner.


There are no comments so far.

Join the discussion!

We welcome debate and dissent, but personal — ad hominem — attacks (on authors, other users or any individual), abuse and defamatory language will not be tolerated. Nor will we tolerate attempts to deliberately disrupt discussions. We aim to maintain an inviting space to focus on intelligent interactions and debates.

*

code

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.