(Português) Bangladesh, o País que Menos Consome Carne no Mundo

ORIGINAL LANGUAGES, 17 Feb 2020

David Arioch | Vegazeta – TRANSCEND Media Service

Bangladesh não tem uma cultura de alto consumo de carne como ocorre principalmente nas nações mais industrializadas e ricas.

Segundo a FAO, consumo de carne por habitante em Bangladesh não ultrapassa quatro quilos ao ano.  (Foto: Getty)

8 fev 2020 – Localizado no Sul da Ásia, e muitas vezes citado por sua vegetação exuberante, Bangladesh é o país que menos consome carne no mundo. Com uma grande população de 164,7 milhões de pessoas, onde 86,6% dos habitantes se identificam como muçulmanos, a Nação Bengali, como também é conhecida, não tem uma cultura de alto consumo de carne como ocorre principalmente nas nações mais industrializadas e ricas.

Prova disso é que, segundo a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), as últimas estatísticas sobre o consumo de carne per capita no mundo apontam Bangladesh como a nação que menos se alimenta de animais no mundo. Lá, o consumo geral de carne por habitante não ultrapassa quatro quilos ao ano.

Já outra estatística, de 2017, e mais específica, realizada e divulgada pelo Statista.com, sustenta que o consumo de carne de aves no país sul-asiático é de apenas 1,23 quilo per capita ao ano. Comparando com países como Estados Unidos, Austrália, Luxemburgo, Nova Zelândia e Áustria, as diferenças são gritantes.

Afinal, do primeiro ao último país citado, o consumo geral de carne varia de 120 quilos per capita ao ano a 101,9 quilos. Ou seja, essas nações, onde o veganismo tem se popularizado cada vez mais, ainda têm um consumo de carne, no mínimo, 25 a 30 vezes maior do que o dos cidadãos de Bangladesh, país que passou a existir somente em 1971, quando conquistou a independência do Paquistão. No entanto, é válido ressaltar que as nações desenvolvidas referenciadas já consumiram muito mais carne.

Embora o não consumo ou pouco consumo de carne seja uma realidade comum em Bangladesh, isso não significa que o país tenha uma população essencialmente vegetariana, até porque o baixo consumo de carne está associado ao preço e ao fato de que não se cria tantos animais para abate no país como em outras nações – o que também tem mais relação com os custos da agropecuária.

Exemplo disso é que, segundo o jornal Dhaka Tribune, de Bangladesh, a disponibilidade de carne no país não há como ir além de 9,12 quilos per capita ao ano, considerando o volume de criação de bovinos, o que também favorece mais o consumo de vegetais.

Para quem não consome nada de origem animal, Bangladesh oferece muitas opções da culinária vegetariana, e principalmente nos govindas, que são os restaurantes hindus espalhados por todo o país. Samosas (também conhecido como pastel indiano), ensopado de lentilhas vermelhas, espinafre bengali, shukto, Phulkopir Baati Jhal, Saak-er Ghanto e Pani Puri, estão entre os pratos mais populares à base de plantas.

Entre os ingredientes mais utilizados estão lentilha, grão-de-bico, batata, abóbora, abobrinha, berinjela, rabanete branco, espinafre, couve-flor, gengibre, funcho, feno-grego, chat masala e panch phoron (mistura de especiarias). Na realidade, a lista é longa.

Embora Bangladesh seja um país “mais próximo do vegetarianismo” por uma condição econômica, ainda assim essa realidade permite uma imersão em uma cultura com boa diversidade de pratos à base de plantas que fazem parte da sua história há décadas e mesmo séculos, ainda que o vegetarianismo enquanto filosofia de vida seja desconhecido por grande parte da população.

_____________________________________________

 

David Arioch é jornalista profissional, historiador e especialista em jornalismo cultural, histórico e literário.

 

Go to Original – vegazeta.com.br


Tags: , , , ,

 

Share this article:


DISCLAIMER: The statements, views and opinions expressed in pieces republished here are solely those of the authors and do not necessarily represent those of TMS. In accordance with title 17 U.S.C. section 107, this material is distributed without profit to those who have expressed a prior interest in receiving the included information for research and educational purposes. TMS has no affiliation whatsoever with the originator of this article nor is TMS endorsed or sponsored by the originator. “GO TO ORIGINAL” links are provided as a convenience to our readers and allow for verification of authenticity. However, as originating pages are often updated by their originating host sites, the versions posted may not match the versions our readers view when clicking the “GO TO ORIGINAL” links. This site contains copyrighted material the use of which has not always been specifically authorized by the copyright owner. We are making such material available in our efforts to advance understanding of environmental, political, human rights, economic, democracy, scientific, and social justice issues, etc. We believe this constitutes a ‘fair use’ of any such copyrighted material as provided for in section 107 of the US Copyright Law. In accordance with Title 17 U.S.C. Section 107, the material on this site is distributed without profit to those who have expressed a prior interest in receiving the included information for research and educational purposes. For more information go to: http://www.law.cornell.edu/uscode/17/107.shtml. If you wish to use copyrighted material from this site for purposes of your own that go beyond ‘fair use’, you must obtain permission from the copyright owner.


There are no comments so far.

Join the discussion!

We welcome debate and dissent, but personal — ad hominem — attacks (on authors, other users or any individual), abuse and defamatory language will not be tolerated. Nor will we tolerate attempts to deliberately disrupt discussions. We aim to maintain an inviting space to focus on intelligent interactions and debates.

*

code

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.