(Português) Os mercados de espécies silvestres de animais são uma bomba-relógio para epidemias

ORIGINAL LANGUAGES, 17 Feb 2020

Fátima ChuEcco - ANDA Agência de Notícias de Direitos Animais

A afirmação é Neil D`Cruze, gerente global em vida silvestre da ONG World Animal Protection.

Pangolin é um mamífero escamoso que se assemelha ao tatu.
Foto Site World Animal Protection

14 fev 2020 – “A criação intensiva de espécies silvestres, caçadas na natureza e mantidas enclausuradas, leva a um ambiente propício para o surgimento e proliferação de diversos vírus, como, por exemplo, a recente pandemia de coronavírus”, segundo a ONG World Animal Protection (Proteção Animal Mundial) que está presente em diversos países e inclusive no Brasil.

Neil D’Cruze, gerente global em vida silvestre da ONG diz que, apesar de a China anunciar que está revisando a sua lei de criação e comércio de vida selvagem, o ideal é que a prática seja combatida e acabe em todo o mundo. “Os mercados de compra e venda de espécies silvestres – lotados de pessoas e animais silvestres – são uma bomba-relógio para epidemias mortais de saúde. Como estamos vendo no surto de coronavírus, este é um problema global, pois, quando acontecem, esses vírus são extremamente difíceis de conter, colocando toda a população mundial em risco”, afirma.

“Essas espécies são colocadas em gaiolas apertadas e mantidas em condições precárias, sem nenhum tipo de higiene, com pouco acesso à alimentos, luz solar ou um ambiente similar com o seu habitat natural. Essa condição é um viveiro letal de doenças, além de causar enorme sofrimento aos animais”, explica D’Cruze.

Embora esteja em extinção, o pangolin é caçado para consumo em vários países asiáticos. Foto Site World Animal Protection

A ONG lembra que recente pesquisa da Universidade de Agricultura do sul da China, em Guangzhou, apontou o pangolim, pequeno mamífero em extinção semelhante ao tatu, como um possível “hospedeiro-intermediário” do coronavírus. O estudo constatou que o pangolim apresenta um tipo de coronavírus 99% compatível geneticamente com o que está causando a atual epidemia. Os pesquisadores acreditam ser possível que o pangolim possa ser o hospedeiro intermediário entre morcegos (hospedeiros naturais de coronavírus) e as pessoas.

“Apesar da ameaça, todos os anos mais de 100 mil pangolins são comercializados ilegalmente na Ásia e na África – sua carne é muito apreciada por chineses e vietnamitas e, suas escamas e órgãos, são utilizados para a medicina tradicional asiática”, diz D`Cruze.

Por isso tudo, a ONG se posiciona contra a criação intensiva de animais, além de recomendar a todos os governos leis mais duras contra o comércio e tráfico de animais silvestres. “Animais silvestres pertencem à natureza. A proibição permanente do comércio de animais é a solução para eliminar o sofrimento das espécies, mantendo-as em seu habitat natural e evitando assim, grandes epidemias de saúde”, finaliza a gerente da ONG.

Para saber mais sobre o pangolin, inclusive assistir vídeo sobre a dura realidade que esse animal enfrenta, acesse AQUI

____________________________________________

ANDA–Agência de Notícias de Direitos Animais: informar para transformar. A ANDA difunde na mídia os valores de uma nova cultura, mais ética, mais justa e preocupada com a defesa e a garantia dos direitos animais. É o primeiro portal jornalístico do mundo que combate a violência social e a destruição do meio ambiente a partir da defesa dos direitos dos animais. Contato: faleconosco@anda.jor.br

Go to Original – anda.jor.br


Tags: , , ,

 

Share this article:


DISCLAIMER: The statements, views and opinions expressed in pieces republished here are solely those of the authors and do not necessarily represent those of TMS. In accordance with title 17 U.S.C. section 107, this material is distributed without profit to those who have expressed a prior interest in receiving the included information for research and educational purposes. TMS has no affiliation whatsoever with the originator of this article nor is TMS endorsed or sponsored by the originator. “GO TO ORIGINAL” links are provided as a convenience to our readers and allow for verification of authenticity. However, as originating pages are often updated by their originating host sites, the versions posted may not match the versions our readers view when clicking the “GO TO ORIGINAL” links. This site contains copyrighted material the use of which has not always been specifically authorized by the copyright owner. We are making such material available in our efforts to advance understanding of environmental, political, human rights, economic, democracy, scientific, and social justice issues, etc. We believe this constitutes a ‘fair use’ of any such copyrighted material as provided for in section 107 of the US Copyright Law. In accordance with Title 17 U.S.C. Section 107, the material on this site is distributed without profit to those who have expressed a prior interest in receiving the included information for research and educational purposes. For more information go to: http://www.law.cornell.edu/uscode/17/107.shtml. If you wish to use copyrighted material from this site for purposes of your own that go beyond ‘fair use’, you must obtain permission from the copyright owner.


There are no comments so far.

Join the discussion!

We welcome debate and dissent, but personal — ad hominem — attacks (on authors, other users or any individual), abuse and defamatory language will not be tolerated. Nor will we tolerate attempts to deliberately disrupt discussions. We aim to maintain an inviting space to focus on intelligent interactions and debates.

*

code

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.