(Português) Sempre Culpamos Outros Animais Pelas Doenças que Provocamos

ORIGINAL LANGUAGES, 23 Mar 2020

David Arioch | Vegazeta – TRANSCEND Media Service

Como se eles chegassem em algum lugar e do nada “fizessem, à luz da maldade ou da ‘inerência biológica’, brotar um vírus que se espalha pela inocente humanidade”
Fotos: Jo-Anne McArthur/We Animals/iStock/SCMP/Getty Images)

22 Mar 2020 – Semeamos muitas doenças quando nos alimentamos de animais e/ou interferimos em suas vidas; sejam criaturas domesticadas ou silvestres.

Na história da humanidade, por muitos séculos, e possivelmente desde o princípio da civilização, sempre encontramos um jeito de culpar outros animais pelo surgimento de doenças, como se eles chegassem em algum lugar e do nada “fizessem, à luz da maldade ou da ‘inerência biológica’, brotar um vírus que se espalha pela inocente humanidade” – como muitos ainda acreditam, às raias da desinformação, quando se fala também em coronavírus.

Somos semeadores de zoonoses

Talvez um dos casos mais emblemáticos até hoje de zoonoses seja o da peste bubônica no século 14 – que matou 25 milhões de pessoas na Europa – mas somente em 2018 veio à tona um estudo publicado no periódico científico Proceedings of the National Academy of Science reforçando que os ratos, demonizados à época, levaram a culpa pela doença disseminada por pulgas e piolhos humanos.

Estes se alastraram como consequências de más condições de higiene, que surgem por dois fatores – displicência ou falta de acesso, esta segunda associada à pobreza, miséria, intensificada pelas desigualdades sociais. Séculos depois, após a Segunda Revolução Industrial, não satisfeitos em criarmos animais “soltos” para matarmos e comermos, decidimos confiná-los antes de massacrá-los – claro que visando mais lucro.

Animais criados para consumo e disseminação de doenças

Mais tarde, com o surgimento das cadeias de fast food e a ampliação do apetite voraz da humanidade por carne nos anos 1950, uma década depois que Henry Ford inspirou Hitler a construir campos de concentração baseados em matadouros, começamos a intensificar ainda mais o confinamento de animais. Afinal, “tempo é dinheiro”, e assim os animais reduzidos a alimentos passaram a ser mortos mais rápido.

Nesse cenário, seja pelo convívio muito próximo com outros animais, condições insalubres ou pelo desenvolvimento de estresse, ansiedade e anomalias comportamentais e físicas que surgem em um estado constante de privação, favorecemos, a partir da intervenção humana com fins de consumo, o surgimento e/ou a ampliação da disseminação de inúmeras doenças – que exterminam “somente” animais ou que são zoonóticas.

Gripe aviária e gripe suína têm causas humanas 

Dois exemplos recentes que acredito que não fogem à memória de ninguém são os da Gripe H1N1, transmitida por porcos (que se assemelha em alguns aspectos à Gripe Espanhola de 1918), mas sem que os porcos sejam culpados, e o da Gripe H5N1, transmitida por aves como frangos – que também não são culpados, mas que culminam em óbitos não humanos e humanos.

Esses animais não decidiram se reunir em grandes quantidades em chiqueiros ou aviários para se submeter a um sistema de privação e alimentação que, além de favorecer o surgimento de patologias, visa o seu próprio abate em um curto período de tempo. Não, quem os submeteu a essa situação de vulnerabilidade foram os humanos.

Há inúmeros outros exemplos de zoonoses no decorrer da história da humanidade que poderiam ser evitadas, mas que insistimos em semeá-las com base em nossos hábitos de consumo – e algumas retornam com mais intensidade e mais letais do que em qualquer período precedente.

Pouco se fala sobre o impacto da resistência antimicrobiana

Além disso, temos ainda outro problema cada vez menos discutido entre a população em geral que diz respeito à resistência antimicrobiana. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), em diversos países, 80% do consumo total de antibióticos ocorre na agropecuária. A maior parte é utilizada para estimular o crescimento em animais que não estão doentes.

Segundo a OMS, o uso excessivo e indevido de antibióticos em animais criados para consumo tem agravado o problema da imunidade de determinados agentes infecciosos e comprometido tratamentos. Alguns tipos de bactérias que causam infecções graves em humanos já desenvolveram resistência a inúmeros remédios disponíveis. Sendo assim, mais uma prática humana que favorece o desenvolvimento de doenças e suas consequências que atingem animais e pessoas.

Em 2018,  a Universidade de São Paulo (USP) identificou presença generalizada de bactérias resistentes a antibióticos em amostras de carne de porco comercializadas em grandes redes de supermercados do Brasil, como Carrefour, Extra, Pão de Açúcar e Walmart, conforme divulgado pela organização Proteção Animal Mundial.

Agropecuária potencializa surgimento de doenças 

Em 2013, a ONU publicou que 70% das novas doenças que infectaram seres humanos nas últimas décadas têm origem animal. Ou seja, está se tornando mais comum que doenças mudem de espécies e se espalhem na população, em meio ao crescimento das cadeias de agricultura [no caso, a agropecuária] e de abastecimento alimentar.

A ONU alerta que a expansão de terras agrícolas em áreas selvagens, juntamente com um ‘boom’ mundial da produção animal, significa que “o gado e os animais selvagens estão mais em contato uns com os outros, e nós mesmos estamos mais em contato com os animais do que nunca”.

Coronavírus não é culpa de outros animais 

O coronavírus não foge a esse padrão, conforme reforçado em matéria da CNN que aponta que zoólogos e especialistas lamentaram que o comportamento humano aliado à destruição do habitat de animais permitiu que doenças que antes existiam somente na natureza, mas sem grande potencial de proliferação, hoje chegassem rapidamente às pessoas e em proporções alarmantes – como também no caso do coronavírus.

Eles dizem que existem duas lições simples que a humanidade deve aprender rapidamente. Primeiro, que os morcegos, tão apontados como responsáveis, não são os culpados e podem realmente ajudar a fornecer a solução. Afinal, é fácil apontar o dedo para as espécies hospedeiras.

“Mas, na verdade, é a maneira como interagimos com eles que levou à propagação pandêmica do patógeno”, enfatiza a publicação. Em síntese, é justo concluir que semeamos muitas doenças quando nos alimentamos de animais e/ou interferimos em suas vidas; sejam criaturas domesticadas ou silvestres.

_____________________________________________

 

David Arioch é jornalista profissional, historiador e especialista em jornalismo cultural, histórico e literário.

 

Go to Original – vegazeta.com.br


Tags: , ,

 

Share this article:


DISCLAIMER: The statements, views and opinions expressed in pieces republished here are solely those of the authors and do not necessarily represent those of TMS. In accordance with title 17 U.S.C. section 107, this material is distributed without profit to those who have expressed a prior interest in receiving the included information for research and educational purposes. TMS has no affiliation whatsoever with the originator of this article nor is TMS endorsed or sponsored by the originator. “GO TO ORIGINAL” links are provided as a convenience to our readers and allow for verification of authenticity. However, as originating pages are often updated by their originating host sites, the versions posted may not match the versions our readers view when clicking the “GO TO ORIGINAL” links. This site contains copyrighted material the use of which has not always been specifically authorized by the copyright owner. We are making such material available in our efforts to advance understanding of environmental, political, human rights, economic, democracy, scientific, and social justice issues, etc. We believe this constitutes a ‘fair use’ of any such copyrighted material as provided for in section 107 of the US Copyright Law. In accordance with Title 17 U.S.C. Section 107, the material on this site is distributed without profit to those who have expressed a prior interest in receiving the included information for research and educational purposes. For more information go to: http://www.law.cornell.edu/uscode/17/107.shtml. If you wish to use copyrighted material from this site for purposes of your own that go beyond ‘fair use’, you must obtain permission from the copyright owner.


There are no comments so far.

Join the discussion!

We welcome debate and dissent, but personal — ad hominem — attacks (on authors, other users or any individual), abuse and defamatory language will not be tolerated. Nor will we tolerate attempts to deliberately disrupt discussions. We aim to maintain an inviting space to focus on intelligent interactions and debates.

*

code

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.