(Português) ONG Divulga Ranking da Crueldade Animal no Turismo

ORIGINAL LANGUAGES, 12 Oct 2020

David Arioch | Vegazeta – TRANSCEND Media Service

Relatório cita empresas que têm favorecido e incentivado shows com golfinhos, passeios com elefantes e selfies com filhotes de tigres, entre outros exemplos.

“Esses são grandes negócios para as empresas de turismo que lucram com turistas que nem sempre conhecem a realidade por trás dessas atrações”
(Foto: Proteção Animal Mundial/Divulgação)

25 set 2020 – A ONG Proteção Animal Mundial divulgou ontem (24) o ranking da crueldade animal no turismo. O relatório informa quais são as companhias de turismo que estão mais e menos comprometidas em não contribuir com a exploração de animais como entretenimento por meio de atividades como apresentações, passeios e excursões.

O relatório “De Olho da Indústria de Turismo” cita empresas que têm favorecido e incentivado shows com golfinhos, passeios com elefantes e selfies com filhotes de tigres, entre outros exemplos.

“Esses são grandes negócios para as empresas de turismo que lucram com turistas que nem sempre conhecem a realidade por trás dessas atrações. Mas a verdade é que os animais silvestres explorados para essas atividades não ganham nada”, destaca a ONG.

De “muito bom” a “péssimo”

E acrescenta: “Arrancados da natureza ou criados em cativeiro, os animais silvestres são separados de suas mães muito cedo e obrigados a viver em condições inaceitáveis, em uma prisão perpétua de miséria e sofrimento.”

Das empresas avaliadas a melhor pontuação foi da Airbnb, seguida por The Travel Corporation, Tripadvisor, Booking.com e Viator. Tui e Der Touristik tiveram pontuações classificadas como razoáveis. Já o comprometimento da Expedia em evitar contribuir com o turismo da crueldade animal foi classificado como ruim, mas não tanto quanto da Flight Centre e AttractionTickets.com. Ainda assim, foi superada pela Trip.com, GetYourGuide, Look e Musement – as quatro qualificadas como péssimas na avaliação.

Há um longo caminho a ser percorrido, já que na avaliação o desempenho dessas empresas, da melhor para a pior envolvendo turismo com animais, vai de 68% a 3%.

Necessidade de mudança de comportamento

Entre os critérios avaliados estão disponibilidade e qualidade de políticas de bem-estar animal; engajamento com fornecedores e a indústria em geral para implementar mudanças favoráveis à vida silvestre; e qualidade de conteúdo educacional para capacitar os consumidores a fazerem escolhas de viagens que respeitem os animais.

“As pessoas desejam ter uma experiência com animais silvestres, contudo, há uma mudança no perfil dos turistas, que não toleram mais a crueldade nessas atrações”, destaca o gerente de vida silvestre da Proteção Animal Mundial, João Almeida, citando que em Manaus ainda há nados em aglomeração com botos cor-de-rosa e abraços e selfies com bichos-preguiça e jacaretingas.

“No exterior, passeios em elefantes, selfies com tigres e leões e golfinhos sendo utilizados como prancha.Todas essas atrações, vendidas pela indústria como não danosas, são extremamente prejudiciais aos animais. Ter empresas globais reforçando a luta contra a crueldade animal é uma chance única de mudar o setor e acabar de vez com a cruel exploração das espécies silvestres.”

_____________________________________________

 

David Arioch é jornalista profissional, historiador e especialista em jornalismo cultural, histórico e literário.

 

Go to Original – vegazeta.com.br


Tags: , , , ,

 

Share this article:


DISCLAIMER: The statements, views and opinions expressed in pieces republished here are solely those of the authors and do not necessarily represent those of TMS. In accordance with title 17 U.S.C. section 107, this material is distributed without profit to those who have expressed a prior interest in receiving the included information for research and educational purposes. TMS has no affiliation whatsoever with the originator of this article nor is TMS endorsed or sponsored by the originator. “GO TO ORIGINAL” links are provided as a convenience to our readers and allow for verification of authenticity. However, as originating pages are often updated by their originating host sites, the versions posted may not match the versions our readers view when clicking the “GO TO ORIGINAL” links. This site contains copyrighted material the use of which has not always been specifically authorized by the copyright owner. We are making such material available in our efforts to advance understanding of environmental, political, human rights, economic, democracy, scientific, and social justice issues, etc. We believe this constitutes a ‘fair use’ of any such copyrighted material as provided for in section 107 of the US Copyright Law. In accordance with Title 17 U.S.C. Section 107, the material on this site is distributed without profit to those who have expressed a prior interest in receiving the included information for research and educational purposes. For more information go to: http://www.law.cornell.edu/uscode/17/107.shtml. If you wish to use copyrighted material from this site for purposes of your own that go beyond ‘fair use’, you must obtain permission from the copyright owner.


There are no comments so far.

Join the discussion!

We welcome debate and dissent, but personal — ad hominem — attacks (on authors, other users or any individual), abuse and defamatory language will not be tolerated. Nor will we tolerate attempts to deliberately disrupt discussions. We aim to maintain an inviting space to focus on intelligent interactions and debates.

*

code

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.