(Português) Alimentar-se de animais é uma forma de consumo consciente?

ORIGINAL LANGUAGES, 12 Sep 2022

David Arioch | Vegazeta – TRANSCEND Media Service

Há um estreitamento no uso do termo e em seu conceito, ainda que “consciente” implique em reconhecimento de impactos nocivos e evitáveis.

Mata-se um animal por um prazer efêmero.
Ilustração: Jo Frederiks – Vegazeta

7 set 2022 – Alimentar-se de animais é uma forma de consumo consciente? Há um estreitamento no uso do termo e em seu conceito, ainda que “consciente” implique em reconhecimento de impactos nocivos e evitáveis, de um alargamento de possibilidades a partir do entendimento do que podemos fazer se tivermos disposição.

Hoje usa-se mais o termo associado a questões de sustentabilidade que podem ou não ser convenientes. Por exemplo, a redução ou descarte adequado de plástico e de ingredientes classificados como nocivos ao meio ambiente; de rejeição às más práticas ambientais que podem prejudicar primeiro pessoas em situação de maior vulnerabilidade.

No entanto, por que “consumo consciente” não é também sobre os impactos que causamos aos animais, não somente (ainda com alcance bem limitado) sobre o quanto pode ser insustentável consumi-los ou usá-los para fins de consumo?

Dizemos que eles comem demais, que geram resíduos demais, que usam espaço demais, que geram CO2 equivalente demais e outros mais que podem até fazer pessoas acreditarem que os vilões são os animais, que nasceram para gerar impacto nocente. Mas não vejo nada de nocivo em relação a esses animais, e sim em relação à finalidade que é (ir)razão de sua criação.

Esses animais não estão aqui por seus próprios fins. Eles têm seus fins determinados para nossos fins. Então entendo que “consumo consciente” demande uma expansão e transição para um “consciente” não homocêntrico, em que compreendemos que qualquer mal evitável que causamos aos animais, e devemos pensar em todos aqueles que são alvos de uso e abuso, requer uma mudança que vá além do “sobre nós”.

Afinal, como posso dizer que sou adepto do “consumo consciente”, se o meu “consciente” é o meu “inconsciente” em relação a quem, por conveniência, prefiro preservar insciência? Não vejo plausibilidade no “consumo consciente” se associa-se a práticas que são males evitáveis. Por isso, julgo necessário o realinhamento do que determinamos como “consciente”, que deve ser demanda mais justa e holista à consciência.

_____________________________________________

 

David Arioch é jornalista profissional, historiador e especialista em jornalismo cultural, histórico e literário (MTB: 10612/PR). http://davidarioch.com

 

Go to Original – vegazeta.com.br


Tags: , , ,

 

Share this article:


DISCLAIMER: The statements, views and opinions expressed in pieces republished here are solely those of the authors and do not necessarily represent those of TMS. In accordance with title 17 U.S.C. section 107, this material is distributed without profit to those who have expressed a prior interest in receiving the included information for research and educational purposes. TMS has no affiliation whatsoever with the originator of this article nor is TMS endorsed or sponsored by the originator. “GO TO ORIGINAL” links are provided as a convenience to our readers and allow for verification of authenticity. However, as originating pages are often updated by their originating host sites, the versions posted may not match the versions our readers view when clicking the “GO TO ORIGINAL” links. This site contains copyrighted material the use of which has not always been specifically authorized by the copyright owner. We are making such material available in our efforts to advance understanding of environmental, political, human rights, economic, democracy, scientific, and social justice issues, etc. We believe this constitutes a ‘fair use’ of any such copyrighted material as provided for in section 107 of the US Copyright Law. In accordance with Title 17 U.S.C. Section 107, the material on this site is distributed without profit to those who have expressed a prior interest in receiving the included information for research and educational purposes. For more information go to: http://www.law.cornell.edu/uscode/17/107.shtml. If you wish to use copyrighted material from this site for purposes of your own that go beyond ‘fair use’, you must obtain permission from the copyright owner.


There are no comments so far.

Join the discussion!

We welcome debate and dissent, but personal — ad hominem — attacks (on authors, other users or any individual), abuse and defamatory language will not be tolerated. Nor will we tolerate attempts to deliberately disrupt discussions. We aim to maintain an inviting space to focus on intelligent interactions and debates.

*

code

Note: we try to save your comment also when there are technical problems or a mistake in the Captcha. Still, for long comments we recommend that you copy them somewhere else as a backup before you submit them.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.