(Portuguese) BRICS Criam Novo Modelo de Ajuda a Países Pobres, Diz Relatório

ORIGINAL LANGUAGES, 2 Apr 2012

Iracema Sodré - BBC Brasil

Os países que formam o grupo BRICS – Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul – aumentaram sua participação em ajuda a nações pobres em um ritmo dez vezes maior que o do G7 (Estados Unidos, Japão, Alemanha, Reino Unido ,França, Itália e Canadá) entre 2005 e 2010, e estão criando novos modelos para a cooperação internacional, segundo dados de um relatório divulgado nesta segunda-feira [26 mar 2012], em Nova Déli, na Índia.

Apesar de os países desenvolvidos ainda serem responsáveis por um volume muito maior em termos de cooperação internacional, o estudo divulgado às vésperas da Quarta Cúpula dos BRICS (28 e 29 de março, em Nova Déli) afirma que o tamanho e a abrangência dos esforços dos BRICS em termos de ajuda externa têm acompanhado o rápido crescimento de suas economias.

“Durante a crise financeira, a maior parte dos países BRICS conseguiu manter seu crescimento econômico e aumentar a cooperação internacional, enquanto alguns doadores tradicionais reduziram ou ficaram no mesmo patamar de gastos em termos de ajuda externa”, disse à BBC Brasil David Gold, diretor-executivo da Global Health Strategies initiatives (GHSi), organização internacional responsável pelo relatório.

Impacto na saúde global

O documento conclui que os BRICS vêm inovando e utilizando novos recursos para melhorar a situação de saúde nos países mais pobres do mundo.

“Os BRICS estão estabelecendo novos modelos para cooperação que desafiam a forma como vemos a ajuda externa. De forma geral, eles não se veem como doadores tradicionais. Em vez disso, eles enfatizam a cooperação Sul-Sul e programas que deixem um legado de qualificação e de transferência de tecnologia, além de usar lições de sua própria experiência em relação à saúde”, afirmou Gold.

Como exemplo, o documento cita a decisão do Brasil – que foi um dos pioneiros nos tratamentos de HIV/AIDS – de construir, em Moçambique, uma fábrica de drogas antirretrovirais.

Segundo Gold, os fabricantes de vacinas e medicamentos genéricos da Índia também tiveram papel fundamental na redução dos preços que os países mais pobres pagam por estes produtos.

“A assistência financeira e os medicamentos da China fizeram uma enorme diferença em termos de controle da malária na África, enquanto a Rússia foi um dos doadores iniciais do programa da Aliança GAVI (entidade internacional dedicada à imunização) que visa fornecer vacinas pneumocócicas a preços reduzidos para países em desenvolvimento”, disse Gold.

“A África do Sul, que tem uma das taxas mundiais mais altas de tuberculose resistente a antibióticos, está sendo pioneira na introdução de um novo tipo de diagnóstico molecular da doença.”

O relatório estima que os gastos do Brasil com ajuda externa tenham ficado entre US$ 400 milhões e US$ 1,2 bilhão em 2010 (já que o país não divulga números anuais).

A Rússia teria desembolsado cerca de US$ 500 milhões no mesmo ano, enquanto a Índia teria gastado US$ 680 milhões, a China, US$ 3,9 bilhões, e a África do Sul, US$ 150 milhões.

Fonte de recursos e inovação

Apesar de reconhecer que os BRICS ainda enfrentam seus próprios desafios em relação a seus sistemas de saúde, o documento afirma que as cinco nações tiveram avanços recentes e implementaram programas inovadores na área.

Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul também já estão coordenando esforços em setores como agricultura, ciência e tecnologia, além de investirem pesado em pesquisa e desenvolvimento, o que poderia, segundo Gold, ter um impacto direto em países pobres.

Um dos temas em discussão na Quarta Cúpula dos BRICS nesta semana é a proposta indiana de se criar um Banco de Desenvolvimento do grupo, dedicado a investir em projetos de infraestrutura e desenvolvimento em nações pobres.

“No longo prazo, os BRICS representam uma potencial fonte de novos recursos e inovação para o desenvolvimento e a saúde globais”, disse Gold.

Go to Original – bbc.co.uk

 

Share this article:


DISCLAIMER: The statements, views and opinions expressed in pieces republished here are solely those of the authors and do not necessarily represent those of TMS. In accordance with title 17 U.S.C. section 107, this material is distributed without profit to those who have expressed a prior interest in receiving the included information for research and educational purposes. TMS has no affiliation whatsoever with the originator of this article nor is TMS endorsed or sponsored by the originator. “GO TO ORIGINAL” links are provided as a convenience to our readers and allow for verification of authenticity. However, as originating pages are often updated by their originating host sites, the versions posted may not match the versions our readers view when clicking the “GO TO ORIGINAL” links. This site contains copyrighted material the use of which has not always been specifically authorized by the copyright owner. We are making such material available in our efforts to advance understanding of environmental, political, human rights, economic, democracy, scientific, and social justice issues, etc. We believe this constitutes a ‘fair use’ of any such copyrighted material as provided for in section 107 of the US Copyright Law. In accordance with Title 17 U.S.C. Section 107, the material on this site is distributed without profit to those who have expressed a prior interest in receiving the included information for research and educational purposes. For more information go to: http://www.law.cornell.edu/uscode/17/107.shtml. If you wish to use copyrighted material from this site for purposes of your own that go beyond ‘fair use’, you must obtain permission from the copyright owner.


Comments are closed.