(Português) Goldman Sachs – OTAN S/A

ORIGINAL LANGUAGES, 14 Sep 2015

Manlio Dinucci, Il Manifesto - Pravda

Depois de ser secretário-geral da OTAN de 2009 a 2014 (sob ordens dos EUA), Anders Fogh Rasmussen assumiu o posto de consultor internacional do banco Goldman Sachs, o mais poderoso banco dos Estados Unidos.

O mais poderoso banqueiro privado do mundo, Lloyd Blankfein, presidente do Goldman Sachs, disse que “faço o trabalho de Deus” (sic). Para punir os pecadores, recorreu aos serviços de Anders Fogh Rasmussen, ex-secretário-geral da OTAN.

nato otan goldman sachs military fascism usaO currículo de Rasmussen é imponente. Como primeiro-ministro dinamarquês (2001-2009), empenhou-se pela “ampliação da União Europeia e da OTAN contribuindo para a paz e a prosperidade na Europa”. Como secretário-geral, representou a OTAN no seu “pico operativo com seis operações em três continentes”, entre as quais a guerra no Afeganistão e na Líbia; e, “em resposta à agressão russa à Ucrânia, reforçou a defesa coletiva em dimensões sem precedentes desde o fim da guerra fria”. Além disso, Rasmussen apoiou a “TTIP [Parceria Transatlântica sobre Comércio e Investimentos]” entre EUA e União Europeia, base econômica de “uma comunidade transatlântica integrada”.

Competências preciosas para o Banco Goldman Sachs, cuja estratégia é ao mesmo tempo financeira, política e militar. Seus dirigentes e consultores, depois de anos de trabalho no grande banco, foram levados a postos chave nos governos dos Estados Unidos e outros países: entre esses Mário Draghi (presidente do Banco da Itália, depois presidente do Banco Central Europeu) e Mário Monti, (nomeado chefe de governo pelo presidente Napolitano em 2011).

Portanto, não é de espantar que o Banco Goldman Sachs tenha a mão na massa nas guerras conduzidas pela OTAN. Por exemplo, na guerra contra a Líbia: primeiramente, se apropriou (causando perdas de 98%) de fundos estatais de 1,3 bilhão de dólares, que Trípoli depositara em 2008; assim, participou em 2011 na grande rapina dos fundos soberanos líbios (estimados em cerca de 150 bilhões de dólares) que EUA e União Europeia “congelaram” no momento da guerra. E, para gerenciar, mediante o controle do “Banco Central da Líbia”, os novos fundos recebidos das exportações de petróleo, o Goldman Sachs se apresta a desembarcar na Líbia com a projetada operação EUA/OTAN sob a bandeira da União Europeia e “condução italiana”.

Com base em uma lúcida “teoria do caos”, desfruta da caótica situação provocada pela guerra contra a Líbia e a Síria, instrumentalizando e canalizando para a Itália e a Grécia (dos países mais débeis da União Europeia) o trágico êxodo dos imigrantes decorrente de tais guerras. Isso serve como arma de guerra psicológica e pressão econômica para demonstrar a necessidade de uma “operação humanitária de paz”, visando na realidade à ocupação militar da zona estrategicamente e economicamente mais importantes da Líbia.

Como a OTAN, o Goldman Sachs é funcional à estratégia de Washington que quer uma Europa submetida aos Estados Unidos. Depois de ter contribuído com o embuste das hipotecas podres provocando a crise financeira que, dos Estados Unidos, chegou à Europa, o Goldman Sachs especulou na crise europeia, aconselhando “os investidores a tirar vantagem da crise financeira na Europa” (conforme o relatório reservado divulgado pelo Wall Street Journal em 2011).

Segundo documentada pesquisa efetuada em 2010-2012 por Der Spiegel, New York Times, BBC e Bloomberg News, o banco Goldman Sachs camuflou com complexas operações financeiras (“empréstimos ocultos” em condições leoninas e venda de “papéis podres” norte-americanos), o verdadeiro crescimento da dívida grega. Nesse negócio, o Goldman Sachs manobrou mais ‘habilmente’ que a Alemanha, que o Banco Central Europeu e que o FMI, que deixaram à vista a faca colada ao pescoço da Grécia.

Recrutando Rasmussen, com a rede internacional de relações políticas e militares por ele tecida durante os cinco anos em que esteve à frente da OTAN, o banco Goldman Sachs potencializa a própria capacidade de influência e penetração.

__________________________

Trad. José Reinaldo Carvalho, Editor do site Vermelho, in Voltaire.net.

Go to Original – pravda.ru

 

Share this article:


DISCLAIMER: The statements, views and opinions expressed in pieces republished here are solely those of the authors and do not necessarily represent those of TMS. In accordance with title 17 U.S.C. section 107, this material is distributed without profit to those who have expressed a prior interest in receiving the included information for research and educational purposes. TMS has no affiliation whatsoever with the originator of this article nor is TMS endorsed or sponsored by the originator. “GO TO ORIGINAL” links are provided as a convenience to our readers and allow for verification of authenticity. However, as originating pages are often updated by their originating host sites, the versions posted may not match the versions our readers view when clicking the “GO TO ORIGINAL” links. This site contains copyrighted material the use of which has not always been specifically authorized by the copyright owner. We are making such material available in our efforts to advance understanding of environmental, political, human rights, economic, democracy, scientific, and social justice issues, etc. We believe this constitutes a ‘fair use’ of any such copyrighted material as provided for in section 107 of the US Copyright Law. In accordance with Title 17 U.S.C. Section 107, the material on this site is distributed without profit to those who have expressed a prior interest in receiving the included information for research and educational purposes. For more information go to: http://www.law.cornell.edu/uscode/17/107.shtml. If you wish to use copyrighted material from this site for purposes of your own that go beyond ‘fair use’, you must obtain permission from the copyright owner.


Comments are closed.