(Português) Obituário: Mário Soares 1924 – 2017

IN ORIGINAL LANGUAGES, 9 January 2017

Eleutério Guevane - ONU News

A ONU News apresenta momentos da vida do político e ativista pela independência que também advogou pela unidade entre países de língua portuguesa; ex-presidente de Portugal liderou painel de figuras de mais alto nível nas Nações Unidas.

Mário Soares apresentou o relatório “O Oceano: Nosso Futuro” para a salvaguarda da riqueza dos mares.
Foto: Arquivo ONU.

7 Jan 2017 – O ex-presidente de Portugal, Mário Soares, morreu neste sábado [7 Jan] em Lisboa, cidade que o viu nascer há 92 anos. Em nota, o secretário-geral da ONU, António Guterres, afirmou ter recebido a notícia do ex-presidente portugês com “profunda emoção e um agudo sentimento de perda”.

O último registo de Soares à ONU News foi numa entrevista por telefone em 2009, quando 13 anos após ter sido chefe de Estado, presidiu interinamente o júri sobre o Prémio da Unesco, Felix Houphouet-Boigny. A distinção da Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura coube naquele ano ao ex-presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva.

Como presidente da Comissão Mundial Independente sobre os Oceanos, o ex-presidente português encontrou-se com o então secretário-geral Kofi Annan em Genebra, em 2005. Foto: Arquivo ONU.

Língua Portuguesa

Na conversa, Mário Soares destacou a importância da unidade em torno da língua portuguesa.

” É uma língua só e não há variante nenhuma. Aliás, o presidente Sarney deu um exemplo também extraordinário quando foi presidente porque ele tem um artigo da Constituição brasileira que diz ‘o idioma oficial falado no Brasil é a língua portuguesa’. Portanto ele disse, um brasileiro, que é a língua portuguesa não a brasileira. No há língua brasileira e a portuguesa. É a mesma como a língua que se fala em Portugal, como a língua que se fala em Angola, como a língua que se fala em Timor-Leste e como a língua que se fala em todas as ex-colónias de Portugal. Portanto, tivemos a grande vantagem de todas elas adotarem como língua oficial o português.”

O ex-líder foi um personagem ativo em negociações da descolonização portuguesa ocorridas logo a seguir aos eventos de 25 de abril de 1974, que acabaram com mais de quatro décadas do regime salazarista.

Autodeterminação

Foi nesse ano que Mário Soares discursou pela primeira vez  na Assembleia Geral da ONU como ministro dos Negócios Estrangeiros de Portugal. Na ocasião ele reconheceu o direito dos povos à autodeterminação.

O pronunciamento sublinhou progressos no processo que conduziu às  independências de Angola e Moçambique no ano seguinte. Na mesma sessão, Soares expressou o “orgulho” com a entrada da Guiné-Bissau nas Nações Unidas.

No Conselho de Segurança, o ex-presidente apresentou um informe do painel de pessoas proeminentes sobre a violência na Argélia. Foto: Arquivo ONU.

A união em torno da língua portuguesa foi apenas uma das causas abraçadas por Mário Soares. O seu historial como ativista marcou os anos de academia na capital francesa, Paris, quando frequentou a Faculdade de Direito da Sorbonne para depois do curso defender vários dissidentes políticos.

No ano de 1951 já tinha sido licenciado em ciências histórico-filosóficas na Universidade de Lisboa, e seis anos depois concluiu o curso de Direito na mesma instituição.

Soares foi preso 12 vezes e por duas delas exilado. A primeira foi em São Tomé em 1968 e a segunda em Paris em 1970.

Chefe da diplomacia

A estreia na governação como chefe da diplomacia foi em três primeiros governos provisórios após o derrube do regime em 1974.

Uma outra passagem histórica pela ONU foi nos 50 anos da organização, quando Soares foi o primeiro a falar aos chefes de Estado e de Governo. O discurso exigia a autodeterminação do povo de Timor-Leste, a promoção do diálogo e da tolerância além da proteção de oceanos.

Mário Soares ocupou dois mandatos presidenciais em Portugal entre 1986 e 1996. Foto: Arquivo ONU.

A transição de Soares para o cargo de 17º chefe de Estado português seguiu-se ao seu papel como primeiro-ministro quando impulsionou o processo que culminou com a entrada de Portugal na União Europeia em 1986. Foi Soares quem entregou o pedido de adesão ao bloco em 1977.

O primeiro presidente civil em Portugal em 60 anos ocupou dois mandatos presidenciais entre 1986 e 1996. Foi o posto público mais alto do filho de João Lopes Soares e antigo republicano liberal.

O percurso de Mário Soares é marcado por ser um dos fundadores da Ação Socialista Portuguesa, um grupo clandestino que em 1974 veio a transformar-se no Partido Socialista Português.

Nas Nações Unidas, presidiu o painel de pessoas proeminentes que apresentou um relatório sobre violência no terreno após visitar o local onde ocorreu um massacre na guerra civil na Argélia em 1988. O grupo era considerado o de nível mais elevado já constituído pela organização.

Soares presidiu ainda a Comissão Mundial Independente sobre os Oceanos lançada em finais de 1995 e acolhida pelas Nações Unidas. O relatório “O Oceano: Nosso Futuro” advogou a salvaguarda da riqueza dos mares e pedia a atenção para a sua importância no progresso social e económico do planeta.

Em 1991, Mário Soares criou uma fundação com o seu nome.

Notícias relacionadas:

António Guterres: “Presto minha homenagem a Mário Soares”

Comunicado do Secretário-Geral da ONU, António Guterres, sobre o falecimento do ex-presidente de Portugal Mário Soares

Unesco homenageia Lula com prêmio da Paz

Lula receberá prêmio em Paris

Cplp é ferramenta para se atingir os Objetivos do Milênio, dizem ex-presidentes

Go to Original – unmultimedia.org

 

Share or download this article:


DISCLAIMER: In accordance with title 17 U.S.C. section 107, this material is distributed without profit to those who have expressed a prior interest in receiving the included information for research and educational purposes. TMS has no affiliation whatsoever with the originator of this article nor is TMS endorsed or sponsored by the originator. “GO TO ORIGINAL” links are provided as a convenience to our readers and allow for verification of authenticity. However, as originating pages are often updated by their originating host sites, the versions posted may not match the versions our readers view when clicking the “GO TO ORIGINAL” links. This site contains copyrighted material the use of which has not always been specifically authorized by the copyright owner. We are making such material available in our efforts to advance understanding of environmental, political, human rights, economic, democracy, scientific, and social justice issues, etc. We believe this constitutes a ‘fair use’ of any such copyrighted material as provided for in section 107 of the US Copyright Law. In accordance with Title 17 U.S.C. Section 107, the material on this site is distributed without profit to those who have expressed a prior interest in receiving the included information for research and educational purposes. For more information go to: http://www.law.cornell.edu/uscode/17/107.shtml. If you wish to use copyrighted material from this site for purposes of your own that go beyond ‘fair use’, you must obtain permission from the copyright owner.


Comments are closed.