(Português) Síndrome das Pernas Inquietas: Doença causa “alfinetadas” a noite inteira e não tem cura

IN ORIGINAL LANGUAGES, 1 Jan 2018

Nuno de Noronha | SAPO – TRANSCEND Media Service

A Síndrome de Pernas Inquietas (SPI) é uma patologia sensoriomotora crónica, com impacto negativo na arquitetura do sono e na qualidade de vida das pessoas, explica o médico pneumologista Bruno Santos.

27 Dez 2017 – A Síndrome das Pernas Inquietas é uma doença crónica e progressiva com impacto importante na qualidade de vida das pessoas. Alguns dos seus portadores descrevem-na como uma espécie de “agonia nas pernas”, “comichão nos ossos” ou “alfinetadas”.

Também designada por doença de Willis-Ekbom, trata-se de um distúrbio neurológico do sono. “Apesar da elevada prevalência, esta síndrome permanece ainda sub-diagnosticada e sub-tratada” em Portugal, comenta Bruno Santos, médico pneumologista, num artigo de revisão científica publicado na “Acta Médica Portuguesa”, a revista científica da Ordem dos Médicos.

A incidência desta síndrome é incerta, com estudos a sugerir valores entre os 0,1% e os 15,3%. No entanto, essa prevalência tende a aumentar com a idade. Trata-se de uma condição crónica, que não se pode prevenir e para a qual não existe cura. É mais comum em mulheres grávidas, sobretudo nos últimos três meses de gravidez. Em alguns casos, os sintomas podem persistir depois do parto.

LEIA TAMBÉM: 10 razões para dormir todo nu

No entanto, esta doença é muitas vezes subdiagnosticada, frisa o referido especialista, que cita dados de um estudo realizado em França que estima que apenas 5% a 13% dos casos sejam detetados.

Existem dois tipos desta patologia, mas o mais comum é o primário, sem causa identificável e, provavelmente, com causa genética. Este tipo tende a ser crónico. Com o passar do tempo os sintomas pioram e tornam-se mais frequentes. O tipo secundário é causado por outra doença ou por alguns medicamentos e, geralmente, os sintomas desaparecem com o tempo.

Causas

As causas mais comuns desta síndrome são a gravidez, a insuficiência renal terminal e a anemia por carência de ferro. Outras doenças que se associam a esta síndrome são a diabetes, a doença de Parkinson e artrite reumatoide. Por outro lado, existem fatores agravantes, como o álcool, a nicotina, o café e alguns medicamentos, como os antipsicóticos, antidepressivos e alguns anti-histamínicos, frisa o médico Bruno Santos.

VEJA AINDA: 15 doenças que ainda não têm cura

Os sintomas pioram durante noite, com movimentos involuntários dos pés, dedos e pernas. Essa inquietação pode ser falsamente interpretada como nervosismo. Cerca de 80% das pessoas com esta síndrome apresentam movimentos periódicos dos membros durante o sono que tendem a ocorrer a cada 20 ou 30 segundos durante a noite, afetando a qualidade do sono. Por isso, os doentes sentem-se mais cansados e sonolentos durante o dia, com maior irritabilidade, problemas de concentração e memória, mais exposição ao stress e sintomas de depressão.

Quem tem esta doença deve tentar fazer uma boa higiene do sono – encontrar o melhor horário para dormir e tentar mantê-lo todos os dias, dormindo o mesmo número de horas. Deve, também, ter atividade física regular, fazer massagens e banhos quentes, evitar estimulantes como a cafeína, tabaco e álcool bem como o uso de medicamentos que agravam os sintomas.

Apesar desta doença não ter cura, existem diversos medicamentos que podem ser úteis no tratamento, nomeadamente na diminuição dos sintomas. A sua seleção deverá ser sempre feita pelo médico, em função de cada caso. “Algumas das classes de medicamentos com interesse são os agentes dopaminérgicos, os opioides, os anticonvulsivantes e as benziodiazepinas”, frisa Bruno Santos na supracitada revisão científica.

_________________________________________

O SAPO tem como missão inovar, informar, divertir e promover a identidade nacional dos países onde está presente, partindo dos meios digitais e privilegiando a proximidade com os seus utilizadores.

Go to Original – lifestyle.sapo.pt

 

Share this article:


DISCLAIMER: In accordance with title 17 U.S.C. section 107, this material is distributed without profit to those who have expressed a prior interest in receiving the included information for research and educational purposes. TMS has no affiliation whatsoever with the originator of this article nor is TMS endorsed or sponsored by the originator. “GO TO ORIGINAL” links are provided as a convenience to our readers and allow for verification of authenticity. However, as originating pages are often updated by their originating host sites, the versions posted may not match the versions our readers view when clicking the “GO TO ORIGINAL” links. This site contains copyrighted material the use of which has not always been specifically authorized by the copyright owner. We are making such material available in our efforts to advance understanding of environmental, political, human rights, economic, democracy, scientific, and social justice issues, etc. We believe this constitutes a ‘fair use’ of any such copyrighted material as provided for in section 107 of the US Copyright Law. In accordance with Title 17 U.S.C. Section 107, the material on this site is distributed without profit to those who have expressed a prior interest in receiving the included information for research and educational purposes. For more information go to: http://www.law.cornell.edu/uscode/17/107.shtml. If you wish to use copyrighted material from this site for purposes of your own that go beyond ‘fair use’, you must obtain permission from the copyright owner.


Comments are closed.