(Português) Matar barata, ter pena de abelha

IN ORIGINAL LANGUAGES, 12 Mar 2018

Marcio de Almeida Bueno - ANDA Agência de Notícias de Direitos Animais

Quando criança na escola, lembro daqueles exercícios de ligar figuras afins. A gata com os gatinhos, a cadela com os cachorrinhos, a vaca com um copo de leite, a abelha…

Barata capturada em pote

Quando criança na escola, lembro daqueles exercícios de ligar figuras afins. A gata com os gatinhos, a cadela com os cachorrinhos, a vaca com um copo de leite, a abelha com um pote de mel. Nessas lições também se falava sobre animais úteis e animais nocivos. A diferenciação era clara, e tudo isso valia nota na hora da prova. Eu era um bom aluno.

Mais ou menos nessa época, lembro de um dia chegar em casa eufórico e contar para a minha mãe que eu tinha matado um louva-a-deus. Eu estava certo de que havia feito o bem, colaborado com a coletividade – tal como se devia matar aranhas, cobras, escorpiões. “Mas para que matar o louva-a-deus?”, questionou minha mãe, entre o espanto e a indignação. Eu fiquei sem resposta, a pergunta suspensa no ar antes de se espatifar no chão. Ninguém pisava nas formigas, e então o louva-a-deus também mereceria nosso respeito? Uma lição materna a mais.

Trinta anos depois, como ativista, brigo com o mundo para desconstruir preconceitos, e aqui o especismo. Seus tentáculos invisíveis envolvem as ‘pessoas de bem’, defensores de animais, protetores, vegetarianos, veganos e até a intelligentsia da causa animal. Seja no linguajar cheio de ‘porcaria, burrice, asneira, besteira, cachorrada, galinhagem’, seja na tolerância com o sofrimento alheio na hora das compras em supermercado ou na revolta seletiva contra esta violência, mas não contra aquela.

Abre parênteses. Ontem vi por acaso a foto da reunião natalina de um ‘grupo ativista’ famoso pelas posições bem-estaristas cheias de orgulho e amor. Na mesa, a lata de uma cerveja famosa por patrocinar tudo quanto é rodeio e vaquejada aqui neste país. Um brinde! Fecha parênteses.

Então a discussão antiespecista parece estar indo para o final da fila, nesta onda de vegetarianos-estritos-e-olhe-lá-que-usam-crachá-de-vegano. As redes sociais estão cheias deles.

E eu também ando cheio deles.

Sempre há baratas na cozinha aqui de casa. Capturo com um pote e jogo no jardim do prédio. Falar isso na Internet – essa terra de ninguém, onde todos manjam horrores sobre qualquer assunto – é abrir comportas para uma enxurrada de indagações, piadas, preconceitos, senso comum, palpites-de-vó-chata e estranhamento. E não me refiro a gente fora do círculo da causa animal, alheia a qualquer debate e dilemas éticos na nossa relação com os não-humanos. Me refiro a essa turma descolada, viajada, com tatuagens estratégicas, barba-padrão, óculos esquisito, vestido de Luluzinha e celular na mão, sendo conferido a cada instante. Vocês, jovens.

Então a pessoa não consome mel para não explorar as abelhas – esses insetos fofos! – mas dá risada de alguém que diz não matar baratas. Ou dá dica de uma boa fórmula caseira de veneno ecológico. Claro, precisamos nos preocupar com o planeta.

‘Ah mas eu tenho medo’, ‘ah mas elas voam no meu cabelo’, ‘ah mas elas passam doenças’, ‘é bicho do demonho’, ‘tem que dar chinelada e pronto’, e todas aquelas frases que o senso comum faz as pessoas repetirem, tal como aqueles marionetes sentados no colo do humorista. Até a voz caricata é parecida. Mas entre uma série do Netflix e outra, esse pessoal desdenha porque aprendeu firme a desdenhar, a relativizar a dor, a ser seletivo na compaixão com os não-humanos, a colocar o interesse das pessoas até mesmo dentro do veganismo antiespecista – que seria a única movimentação 100% em prol dos demais habitantes deste planeta.

Eu fui um bom aluno porque aprendi a ter o prazer de aprender coisas novas e desconstruir as lições ultrapassadas. Hoje sou vegano e não como mel. E não mato barata.

__________________________________________________

A imprensa não apenas informa. Ela forma conceitos. Modifica ideias. Influencia decisões. Define valores. Participa das grandes mudanças sociais e políticas trazendo o mundo para o indivíduo pensar, agir e ser. É justamente este o objetivo da ANDA – Agência de Notícias de Direitos Animais: informar para transformar. A ANDA difunde na mídia os valores de uma nova cultura, mais ética, mais justa e preocupada com a defesa e a garantia dos direitos animais. É o primeiro portal jornalístico do mundo voltado exclusivamente a fatos e informações do universo animal. Com profissionalismo, seriedade e coragem, a ANDA abre um importante canal com jornalistas de todas as mídias e coloca em pauta assuntos que até hoje não tiveram o merecido espaço ou foram mal debatidos na imprensa.

Go to Original – anda.jor.br

 

Share this article:


DISCLAIMER: In accordance with title 17 U.S.C. section 107, this material is distributed without profit to those who have expressed a prior interest in receiving the included information for research and educational purposes. TMS has no affiliation whatsoever with the originator of this article nor is TMS endorsed or sponsored by the originator. “GO TO ORIGINAL” links are provided as a convenience to our readers and allow for verification of authenticity. However, as originating pages are often updated by their originating host sites, the versions posted may not match the versions our readers view when clicking the “GO TO ORIGINAL” links. This site contains copyrighted material the use of which has not always been specifically authorized by the copyright owner. We are making such material available in our efforts to advance understanding of environmental, political, human rights, economic, democracy, scientific, and social justice issues, etc. We believe this constitutes a ‘fair use’ of any such copyrighted material as provided for in section 107 of the US Copyright Law. In accordance with Title 17 U.S.C. Section 107, the material on this site is distributed without profit to those who have expressed a prior interest in receiving the included information for research and educational purposes. For more information go to: http://www.law.cornell.edu/uscode/17/107.shtml. If you wish to use copyrighted material from this site for purposes of your own that go beyond ‘fair use’, you must obtain permission from the copyright owner.


Comments are closed.