(Português) Austrália proíbe exportação de ovelhas devido a maus-tratos

IN ORIGINAL LANGUAGES, 16 Apr 2018

Fernanda Cotez - ANDA Agência de Notícias de Direitos Animais

Carga viva de 65 mil ovelhas australianas iria partir para o Oriente Médio, mas foi proibida pelo governo local por conta das péssimas condições do navio.

9 abril 2018 – Outra carga viva de 65 mil ovelhas iria partir em um navio de exportação para o Oriente Médio na próxima semana, mas o governo federal da Austrália proibiu a saída do navio por conta das péssimas condições das ovelhas a bordo.

De acordo com o governo australiano, “a menos que sejam feitas ‘melhorias sérias’ nas condições e no bem-estar das ovelhas a bordo”, o navio continuará proibido de sair do país.

Em agosto de 2017, mais de 2 mil ovelhas australianas morreram em um navio Emanuel Exports que iria de Fremantle, oeste da Austrália, para o Oriente Médio. As mortes foram consequência de estresse térmico.

O ministro da Agricultura, David Littleproud, iniciou uma investigação urgente em seu departamento depois de ver imagens filmadas em um navio Emanuel Exports. O ministro considerou “perturbadoras” as imagens fornecidas a ele através da Animals Australia”.

Cerca de 2,4 mil ovelhas australianas foram mortas pelo calor e más condições em embarque que partiu em agosto de 2017. (Foto: Andrew Sheargold/AP)

O navio que causou a morte das milhares de ovelhas havia deixado Fremantle, litoral australiano, carregando 63.804 animais, mas a alta taxa de mortalidade devido ao calor desencadeou uma investigação departamental. A Emanuel Exports está atualmente se preparando para exportar novamente cerca de 65 mil ovinos e 250 bovinos para o Kuwait, Emirados Árabes Unidos, Omã e Catar.

Se quiserem deixar a Austrália com os animais, as exportações devem diminuir a densidade populacional em pelo menos 15% e ter um observador independente a bordo que enviará fotos e vídeos diários de volta. Uma carta da secretária assistente do departamento, Narelle Clegg, vista pela Guardian Australia dizia que a Emanuel Exports “também devem limpar o interior do navio”.

Maus-tratos intrínsecos 

Não é a primeira vez que um evento de mortalidade em massa acontece nesse navio de exportação devido ao estresse por calor. Além disso, um relatório sobre o envio disse que as ovelhas australianas mortas eram tantas que era difícil administrar os corpos. De acordo com a investigação sobre o embarque de agosto de 2017, as temperaturas no golfo atingiram 36ºC, observando que, sob essas condições, um “grande número de animais começaria a morrer”.

O navio Emmanuel Exports pretende sair com uma nova carga viva de ovelhas, da Austrália rumo ao Oriente Médio, mas foi impedido de partir devido às péssimas condições do translado.
(Foto: ABC News: Mary Lloyd)

O Brasil também já foi palco de crueldade contra animais no transporte de carga viva para outros países. O embarque de mais de 26 mil bois no porto de Santos, litoral de São Paulo, gerou polêmica. O navio partiu rumo à Turquia, mesmo após exaustivas tentativas de comissões, entidades e ativistas da causa animal de interromper o embarque. A Minerva Foods, exportadora e responsável pelo embarque desses animais em Santos, foi multada pela Secretaria Municipal do Meio Ambiente (Semam) de Santos, em um valor que ultrapassa R$3,4 milhões.

“A prática de transporte marítimo de animais por longas distâncias está intrínseca e inerentemente relacionada à causação de crueldade, sofrimento, dor, indignidade e corrupção do bem-estar animal sob diversas formas”, alegou a médica veterinária Magda Regina, que realizou a inspeção técnica no navio que partiu de Santos para o Oriente Médio.

Um novo projeto de lei aprovado em segunda votação na Câmara Municipal de Santos proíbe o transporte de carga viva na área urbana do município. A proposta tem o objetivo de impedir que embarques de animais sejam realizados no porto de Santos, visando acabar com esse tipo de translado cruel, insalubre e mortal.

______________________________________________

A imprensa não apenas informa. Ela forma conceitos. Modifica ideias. Influencia decisões. Define valores. Participa das grandes mudanças sociais e políticas trazendo o mundo para o indivíduo pensar, agir e ser. É justamente este o objetivo da ANDA – Agência de Notícias de Direitos Animais: informar para transformar. A ANDA difunde na mídia os valores de uma nova cultura, mais ética, mais justa e preocupada com a defesa e a garantia dos direitos animais. É o primeiro portal jornalístico do mundo voltado exclusivamente a fatos e informações do universo animal. Com profissionalismo, seriedade e coragem, a ANDA abre um importante canal com jornalistas de todas as mídias e coloca em pauta assuntos que até hoje não tiveram o merecido espaço ou foram mal debatidos na imprensa.

Go to Original – anda.jor.br

 

Share this article:


DISCLAIMER: In accordance with title 17 U.S.C. section 107, this material is distributed without profit to those who have expressed a prior interest in receiving the included information for research and educational purposes. TMS has no affiliation whatsoever with the originator of this article nor is TMS endorsed or sponsored by the originator. “GO TO ORIGINAL” links are provided as a convenience to our readers and allow for verification of authenticity. However, as originating pages are often updated by their originating host sites, the versions posted may not match the versions our readers view when clicking the “GO TO ORIGINAL” links. This site contains copyrighted material the use of which has not always been specifically authorized by the copyright owner. We are making such material available in our efforts to advance understanding of environmental, political, human rights, economic, democracy, scientific, and social justice issues, etc. We believe this constitutes a ‘fair use’ of any such copyrighted material as provided for in section 107 of the US Copyright Law. In accordance with Title 17 U.S.C. Section 107, the material on this site is distributed without profit to those who have expressed a prior interest in receiving the included information for research and educational purposes. For more information go to: http://www.law.cornell.edu/uscode/17/107.shtml. If you wish to use copyrighted material from this site for purposes of your own that go beyond ‘fair use’, you must obtain permission from the copyright owner.


Comments are closed.