(Português) Exposição da realidade: Apresentador de programa rural afirma que viagens escolares a matadouros são essenciais

IN ORIGINAL LANGUAGES, 9 Jul 2018

Paula Borim - ANDA Agência de Notícias de Direitos Animais

Tom Heap afirma que se as crianças pudessem ver a triste origem de seus alimentos de origem animal deixariam de consumí-los.

5 julho 2018 – O apresentador do programa britânico Countryfile, Tom Heap, afirmou que viagens a matadouros deveriam fazer parte do currículo escolar. Heap, que faz parte de um programa que aborda questões rurais, ambientais e da agricultura do Reino Unido, declarou que a medida traria consciência às crianças sobre a forma que os alimentos de origem animal são feitos.

Animais criados em matadouros são submetidos a maus-tratos e diversas violências ao longo de suas vidas. (Foto: Eurogroup for Animals)

O consumo de carne, assim como de outros alimentos de origem animal, é envolto em diversas inverdades e ilusões. Ilustrações em livros infantis retratam fazendas lindas e espaçosas com animais felizes.

Supermercados estão cheios de produtos que falsificam a triste realidade. São vendidos, por exemplo, ovos com embalagem retratando galinhas soltas e carne de frango com a propaganda que os animais foram criados “ao ar livre”. O próprio McDonald’s chegou a dar às crianças uma vaca sorridente quando elas compravam um hambúrguer, apesar de todos os processos violentos e exploração que os animais sofrem no processo de morte.

A realidade é que os animais reféns da indústria alimentícia são criados em condições deploráveis, e a decisão de não abrir os matadouros para visita é intencional.

Empresários do setor de carnes estão nervosos com a ideia de crianças conhecendo as instalações de um matadouro. O temor é justificável. Entre 2009 e 2016, o grupo de assistência social Animal Aid filmou secretamente o interior de 11 matadouros britânicos escolhidos aleatoriamente, e encontrou evidências claras de crueldade em 10 deles.

Um porta-voz da Associação Britânica de Processadores de Carnes disse que seria possível acomodar pouquíssimas crianças por dia para visitarem os matadouros. O curioso é que a falta de espaço não se aplica aos milhões de animais criados por essas empresas todos os anos.

Revelar a realidade de matadouros às crianças não é um plano para acabar com a inocência característica da faixa etária. Pelo contrário, é uma maneira de conscientizar desde de cedo que alimentos de origem animal são obtidos através da exploração e agressão a seres sencientes.

____________________________________________

A imprensa não apenas informa. Ela forma conceitos. Modifica ideias. Influencia decisões. Define valores. Participa das grandes mudanças sociais e políticas trazendo o mundo para o indivíduo pensar, agir e ser. É justamente este o objetivo da ANDA – Agência de Notícias de Direitos Animais: informar para transformar. A ANDA difunde na mídia os valores de uma nova cultura, mais ética, mais justa e preocupada com a defesa e a garantia dos direitos animais. É o primeiro portal jornalístico do mundo voltado exclusivamente a fatos e informações do universo animal. Com profissionalismo, seriedade e coragem, a ANDA abre um importante canal com jornalistas de todas as mídias e coloca em pauta assuntos que até hoje não tiveram o merecido espaço ou foram mal debatidos na imprensa.

Go to Original – anda.jor.br

 

Share this article:


DISCLAIMER: In accordance with title 17 U.S.C. section 107, this material is distributed without profit to those who have expressed a prior interest in receiving the included information for research and educational purposes. TMS has no affiliation whatsoever with the originator of this article nor is TMS endorsed or sponsored by the originator. “GO TO ORIGINAL” links are provided as a convenience to our readers and allow for verification of authenticity. However, as originating pages are often updated by their originating host sites, the versions posted may not match the versions our readers view when clicking the “GO TO ORIGINAL” links. This site contains copyrighted material the use of which has not always been specifically authorized by the copyright owner. We are making such material available in our efforts to advance understanding of environmental, political, human rights, economic, democracy, scientific, and social justice issues, etc. We believe this constitutes a ‘fair use’ of any such copyrighted material as provided for in section 107 of the US Copyright Law. In accordance with Title 17 U.S.C. Section 107, the material on this site is distributed without profit to those who have expressed a prior interest in receiving the included information for research and educational purposes. For more information go to: http://www.law.cornell.edu/uscode/17/107.shtml. If you wish to use copyrighted material from this site for purposes of your own that go beyond ‘fair use’, you must obtain permission from the copyright owner.


Comments are closed.