(Português) Pecuária emite mais gases estufa do que o uso de combustíveis fósseis: Estudo

ORIGINAL LANGUAGES, 23 Jul 2018

Bárbara Alcântara - ANDA Agência de Notícias de Direitos Animais

Estatísticas reveladoras mostram o quanto as coisas realmente estão ruins e apontam para a necessidade de uma solução urgente.

22 Jul 2018 – Duas organizações sem fins lucrativos, a GRAIN e o Instituto de Política Agrícola e Comercial (IATP), se uniram neste ano para fazer uma pesquisa e estimar as emissões de gases estufa na atmosfera pela pecuária. O que elas descobriram foi que as cinco principais empresas de carnes e laticínios ultrapassaram oficialmente gigantes do petróleo como Exxon, a Shell e a BP nas emissões anuais de gases do efeito estufa. E a maioria dessas empresas subnotifica ou simplesmente não informa suas emissões.

Reprodução | ClimaInfo

Para chegar a este resultado alarmante, a equipe responsável analisou dados das 35 corporações de carnes e laticínios mais produtivas do mundo e usou a metodologia criada pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO). Infelizmente, não foi surpreendente, já que a mesma pesquisa feita no ano anterior revelou que a JBS, a Cargill e a Tyson – três principais empresas de carnes – emitiram mais gases de efeito estufa em 2016 do que toda a França, e quase tanto quanto as mesmas empresas, Exxon, Shell e BP.

A fim de limitar o aquecimento global a 1,5 graus Celsius até 2050, o ideal era que as emissões de gases estufa, em escala global, fosse reduzida em 38 bilhões de toneladas. O problema é que os dados afirmam que se a pecuária continuar a crescer, como prevêem especialistas, a indústria poderá produzir 80% da cota de emissões de gases de efeito estufa permitida em apenas 32 anos.

Estas estatísticas reveladoras mostram o quanto as coisas realmente estão ruins e apontam para a necessidade de uma solução urgente. “Não há outra escolha. A produção de carne e laticínios nos países onde as 35 principais empresas dominam deve ser significativamente reduzida”, alertou o pesquisador do GRAIN, Devlin Kuyek, .

Ao que tudo indica, esperar pela mudança dessas empresas em breve é inútil. De acordo com a pesquisa, apenas seis dos 35 maiores produtores globais de carnes e laticínios definiram metas de redução de emissões envolvendo toda a sua cadeia de suprimentos – que é responsável por cerca de 90% do total das emissões e, portanto, precisa ser incluída para que um progresso real seja atingido.

Infelizmente, a revelação pode até ser alarmante mas não é surpreendente. Todo o setor da pecuária é responsável por mais emissões de gases de efeito estufa do que todo o setor de transporte combinado, e um estudo recente comprovou que cortar os alimentos de origem animal da dieta é a melhor maneira de reduzir nosso impacto ambiental no planeta.

Há muito tempo os ativistas ambientais vêm combatendo a indústria de petróleo e gás. Apesar da luta ser legítima e extremamente necessária, vale a pena pensar que esses esforços também precisam ser direcionados à indústria da carne e laticínios. Por mais que se promova e incentive a energia limpa e solar, por exemplo, comer bacon e cheeseburgers baratos mostra que não estamos fazendo tudo o que podemos para proteger o planeta e combater a poluição.

____________________________________________

A imprensa não apenas informa. Ela forma conceitos. Modifica ideias. Influencia decisões. Define valores. Participa das grandes mudanças sociais e políticas trazendo o mundo para o indivíduo pensar, agir e ser. É justamente este o objetivo da ANDA – Agência de Notícias de Direitos Animais: informar para transformar. A ANDA difunde na mídia os valores de uma nova cultura, mais ética, mais justa e preocupada com a defesa e a garantia dos direitos animais. É o primeiro portal jornalístico do mundo voltado exclusivamente a fatos e informações do universo animal. Com profissionalismo, seriedade e coragem, a ANDA abre um importante canal com jornalistas de todas as mídias e coloca em pauta assuntos que até hoje não tiveram o merecido espaço ou foram mal debatidos na imprensa.

Go to Original – anda.jor.br

 

Share this article:


DISCLAIMER: The statements, views and opinions expressed in pieces republished here are solely those of the authors and do not necessarily represent those of TMS. In accordance with title 17 U.S.C. section 107, this material is distributed without profit to those who have expressed a prior interest in receiving the included information for research and educational purposes. TMS has no affiliation whatsoever with the originator of this article nor is TMS endorsed or sponsored by the originator. “GO TO ORIGINAL” links are provided as a convenience to our readers and allow for verification of authenticity. However, as originating pages are often updated by their originating host sites, the versions posted may not match the versions our readers view when clicking the “GO TO ORIGINAL” links. This site contains copyrighted material the use of which has not always been specifically authorized by the copyright owner. We are making such material available in our efforts to advance understanding of environmental, political, human rights, economic, democracy, scientific, and social justice issues, etc. We believe this constitutes a ‘fair use’ of any such copyrighted material as provided for in section 107 of the US Copyright Law. In accordance with Title 17 U.S.C. Section 107, the material on this site is distributed without profit to those who have expressed a prior interest in receiving the included information for research and educational purposes. For more information go to: http://www.law.cornell.edu/uscode/17/107.shtml. If you wish to use copyrighted material from this site for purposes of your own that go beyond ‘fair use’, you must obtain permission from the copyright owner.


Comments are closed.