(Português) Ex-açougueiro adota veganismo e afirma que a indústria da carne afetou sua saúde mental

IN ORIGINAL LANGUAGES, 3 Sep 2018

Julia Cortezia - ANDA Agência de Notícias de Direitos Animais

Fraser Bayley, que hoje é atleta e ativista vegano, conta os problemas que enfrentou nos dois anos em que foi açougueiro.

Bayley hoje é bodybuilder e ativista vegano (Foto: Reprodução)

27 ago 2018 – Fraser Bayley era um jovem açougueiro em busca de uma carreira profissional, mas após dois anos envolvido em uma indústria que explora e assassina animais, ele tomou uma decisão surpreendente: adotou o veganismo, se tornou atleta e personal trainer e hoje inspira outras pessoas a adotarem um estilo de vida mais compassivo e saudável.

Ele percorreu um novo caminho nesse novo mundo em um podcast exclusivo feito pelo portal Plant Based News, Bayley contou os desafios que passou e discutiu como a profissão era relacionada com ideologias de masculinidade e como aquele contexto afetou sua saúde mental.

Antes de ser açougueiro, Bayley era jovem e trabalhava meio expediente em um supermercado:

“Eu acabei sendo colocado em treinamento no açougue. Foi engraçado porque muitos dos meninos foram colocados no açougue e muitas garotas foram colocadas no caixa”.

Ele atenta ao sexismo que estava intrínseco na profissão: “Elas estavam em um papel de atendimento ao cliente, e muitos dos rapazes foram colocados em açougues, em delicatessen ou na venda de frutos do mar. Existia um paradigma de homem e mulher”.

Na escola, ele foi diagnosticado com déficit de atenção. Bayley revela que se considerava “estúpido” e decidiu abandonar sua educação formal para ter um emprego em tempo integral e ganhar algum dinheiro.

“Eu fui ao gerente do açougue e disse: ‘olhe, eu estou em meio expediente por um tempo, posso ir em tempo integral?’. Então eu acabei entrando nesse ramo”.

Bayley passou por um aprendizado de açougueiro de dois anos, visitando matadouros e fazendo cursos universitários. “Você acaba se envolvendo quando você vê animais sendo assassinados”, disse ele.

Ainda, ele afirma que a profissão era por vezes um ambiente que chegava a ser tóxico: “O que eu encontrei é que eu sempre me perguntava se minha saúde mental estava fora de controle porque eu estava em um açougue ou se era o contrário”, ele confessa.

“As pessoas que trabalham nesse ramo parecem ter problemas semelhantes, e não era só dentro daquela carnificina. Eu via muito alcoolismo, abuso de drogas e hiper masculinidade… Foi uma experiência muito pesada e tóxica”.

____________________________________________

A imprensa não apenas informa. Ela forma conceitos. Modifica ideias. Influencia decisões. Define valores. Participa das grandes mudanças sociais e políticas trazendo o mundo para o indivíduo pensar, agir e ser. É justamente este o objetivo da ANDA – Agência de Notícias de Direitos Animais: informar para transformar. A ANDA difunde na mídia os valores de uma nova cultura, mais ética, mais justa e preocupada com a defesa e a garantia dos direitos animais. É o primeiro portal jornalístico do mundo voltado exclusivamente a fatos e informações do universo animal. Com profissionalismo, seriedade e coragem, a ANDA abre um importante canal com jornalistas de todas as mídias e coloca em pauta assuntos que até hoje não tiveram o merecido espaço ou foram mal debatidos na imprensa.

Go to Original – anda.jor.br

 

Share this article:


DISCLAIMER: In accordance with title 17 U.S.C. section 107, this material is distributed without profit to those who have expressed a prior interest in receiving the included information for research and educational purposes. TMS has no affiliation whatsoever with the originator of this article nor is TMS endorsed or sponsored by the originator. “GO TO ORIGINAL” links are provided as a convenience to our readers and allow for verification of authenticity. However, as originating pages are often updated by their originating host sites, the versions posted may not match the versions our readers view when clicking the “GO TO ORIGINAL” links. This site contains copyrighted material the use of which has not always been specifically authorized by the copyright owner. We are making such material available in our efforts to advance understanding of environmental, political, human rights, economic, democracy, scientific, and social justice issues, etc. We believe this constitutes a ‘fair use’ of any such copyrighted material as provided for in section 107 of the US Copyright Law. In accordance with Title 17 U.S.C. Section 107, the material on this site is distributed without profit to those who have expressed a prior interest in receiving the included information for research and educational purposes. For more information go to: http://www.law.cornell.edu/uscode/17/107.shtml. If you wish to use copyrighted material from this site for purposes of your own that go beyond ‘fair use’, you must obtain permission from the copyright owner.


There are no comments so far.

Join the discussion!

We welcome debate and dissent, but personal — ad hominem — attacks (on authors, other users or any individual), abuse and defamatory language will not be tolerated. Nor will we tolerate attempts to deliberately disrupt discussions. We aim to maintain an inviting space to focus on intelligent interactions and debates.

*

code

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.