(Português) Na ONU, entidade denuncia Brasil por ‘risco de genocídio’ de povos indígenas

IN ORIGINAL LANGUAGES, 24 Sep 2018

Jamil Chade - O Estado de S.Paulo [Brasil]

Ameaças e mortes nos últimos anos foram os alvos da denúncia; grupo alerta que, até agora, os povos indígenas não obtiveram justiça por graves violações passadas e recorrentes.

De acordo com o Conselho Indigenista Missionário houve uma “profunda extinção” dos povos indígenas no último século. Foto: Thiago Queiroz/Estadão

14 Set 2018 – O Brasil é denunciado na ONU por “risco de genocídio” no caso dos povos indígenas. Nesta sexta-feira, 14, a acusação foi apresentada pelo Conselho Indigenista Missionário (CIMI) durante reunião do Conselho de Direitos Humanos da ONU, em Genebra.

O governo brasileiro ainda considera se irá dar uma resposta à denúncia. Pelas práticas do Conselho de Direitos Humanos, as réplicas são reservadas para o final do dia.

De acordo com a entidade, houve uma “profunda extinção” dos povos indígenas no último século, passando de 4% da população para apenas 0,4%.

Mas são as ameaças e mortes nos últimos anos que foram os alvos da denúncia. “A taxa de homicídio na população Guarani-Kaiowá em Dourados é de 88 para cada cem mil pessoas, quase o triplo da taxa média do Brasil”, disse Paulo Lugon Arantes, que leu a denúncia em nome da entidade indigenista.

De acordo com o grupo, o caso dos Guarani-Kaiowá  cumprem pelo menos sete fatores e 16 indicadores estabelecidos pela ONU para designar um genocídio.

“O discurso político de ódio no país, um dos 14 fatores de risco de genocídio, tem legitimado e alimentado uma série de ataques violentos contra povos indígenas”, declarou.

“Apelamos para que o Brasil leve a sério risco de atrocidade contra os povos indígenas”, apelou Arantes.

No discurso, o CIMI ainda alerta que, até agora, os povos indígenas “não obtiveram justiça por graves violações, passadas e recorrentes, uma vez que são também excluídos no processo de memória no Brasil”.

“A Comissão Nacional da Verdade no Brasil identificou políticas específicas e deliberadas, por parte do regime militar, de extermínio dos povos indígenas e práticas horríveis, como o desfile público de indígenas submetidos à tortura”, declarou Arantes.

Segundo ele, a Comissão “recomendou a demarcação de seus territórios, reconhecimento estatal das violações estatais como formas de reparação”. O grupo também lembrou que a Comissão Nacional da Verdade sugeriu que um mecanismo similar também fosse estabelecido para os povos indígenas.

______________________________________________

Notícias relacionadas:

Go to Original – brasil.estadao.com.br

 

Share this article:


DISCLAIMER: In accordance with title 17 U.S.C. section 107, this material is distributed without profit to those who have expressed a prior interest in receiving the included information for research and educational purposes. TMS has no affiliation whatsoever with the originator of this article nor is TMS endorsed or sponsored by the originator. “GO TO ORIGINAL” links are provided as a convenience to our readers and allow for verification of authenticity. However, as originating pages are often updated by their originating host sites, the versions posted may not match the versions our readers view when clicking the “GO TO ORIGINAL” links. This site contains copyrighted material the use of which has not always been specifically authorized by the copyright owner. We are making such material available in our efforts to advance understanding of environmental, political, human rights, economic, democracy, scientific, and social justice issues, etc. We believe this constitutes a ‘fair use’ of any such copyrighted material as provided for in section 107 of the US Copyright Law. In accordance with Title 17 U.S.C. Section 107, the material on this site is distributed without profit to those who have expressed a prior interest in receiving the included information for research and educational purposes. For more information go to: http://www.law.cornell.edu/uscode/17/107.shtml. If you wish to use copyrighted material from this site for purposes of your own that go beyond ‘fair use’, you must obtain permission from the copyright owner.


There are no comments so far.

Join the discussion!

We welcome debate and dissent, but personal — ad hominem — attacks (on authors, other users or any individual), abuse and defamatory language will not be tolerated. Nor will we tolerate attempts to deliberately disrupt discussions. We aim to maintain an inviting space to focus on intelligent interactions and debates.

*

code

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.