(Português) Imagens angustiantes mostram a realidade dos animais criados para indústria de peles

IN ORIGINAL LANGUAGES, 3 Dec 2018

Julia Cortezia - ANDA Agência de Notícias de Direitos Animais

Em uma investigação feita pela Humane Society International (HSI), foi revelado as condições em que minks, raposas e cães-guaxinins estão confinados nas fazendas de pele finlandesas.

29 Nov 2018 – Uma investigação mostrou as péssimas condições em que minks, raposas e cães-guaxinins estão submetidos em fazendas de peles finlandesas.

Fotos tiradas pela Humane Society International (HSI) revelam que os animais são mantidos em pequenas gaiolas e apresentam feridas cruas infectadas por todo o seu corpo. Muitos deles acabam cometendo canibalismo.

Ainda, os animais sofrem com os pés deformados, olhos doentes e lacerações abertas em seus corpos.

A indústria de pelos confina os animais durante toda a vida até serem assassinados. Os minks são mortos por gaseificação e as raposas e os cães-guaxinins são mortos por eletrocussão anal.

O professor veterinário Alastair MacMillan analisou a filmagem e disse que ela “mostra o custo que o isolamento contínuo e o confinamento estão tendo sobre esses animais, muitos estão mostrando sinais de grave sofrimento físico e psicológico”.

“Vários visons e raposas têm feridas abertas e infectadas, e várias raposas têm olhos extremamente doentes que serão extremamente dolorosos”.

“Se isso é o melhor que a indústria de peles pode oferecer aos animais, não é de admirar que tantos designers, varejistas e agora cidades não mais queiram nada a ver com isso”, ele afirma.

Uma raposa teve uma orelha arrancada e sofre de infecção nos olhos. (Foto: Humane Society International)

 

As condições em que os animais vivem não só prejudicam sua saúde física, mas também sua saúde mental, se tornando mais agressivas. (Foto: Humane Society International)

No Reino Unido, a criação de peles foi proibida desde 2000, mas a Grã-Bretanha continua a importar peles de uma variedade de espécies, incluindo raposas, coelhos, minks, coiotes, cães-guaxinins e chinchilas.

A instituição de caridade quer que o secretário de Meio Ambiente da Grã-Bretanha, Michael Gove, “pare seu duplo padrão” e pare de importar peles.

Cães guaxinins são empacotados em suas prisões para maximizar a eficiência e o lucro. (Foto: Humane Society International)

 

Uma raposa negra, uma das raças mais raras do Reino Unido, é enjaulada em uma fazenda de peles finlandesa. (Foto: Humane Society International)

A diretora do Reino Unido da Humane Society, Claire Bass, ficou tão chocada que realizou um protesto ao se trancar em uma jaula ontem por 24 horas fora do Departamento de Meio Ambiente, Alimentos e Assuntos Rurais em Londres.

Uma proibição do Reino Unido seguiria os passos de ação semelhante em West Hollywood, Berkley e San Francisco. Desde que a proibição entrou em vigor em 2003, eles importaram cerca de 700 milhões de libras de pele, incluindo 14 milhões de libras da Finlândia.

Um mink aparece com uma ferida aberta no nariz.
(Foto: Humane Society International)

 

Um mink aparece com sangue e vermelhidão no rosto.
(Foto: Humane Society International)

As fazendas finlandesas são os maiores produtores de peles de raposa na Europa, onde cerca de 2,5 milhões de raposas são criadas e eletrocutadas todos os anos para o comércio global de peles.

Outros exportadores incluem Itália, França, Polônia, China e Rússia, onde as condições nas fazendas de peles são tão ruins ou até piores.

A raposa à esquerda parece ter uma ferida no flanco direito, curvando-se em submissão a outra raposa. (Foto: Humane Society International)

 

Um mink aparece com machucados e sua carne exposta e ensanguentada. (Foto: Humane Society International)

Ms Bass disse: “Vendo em primeira mão estes animais mentalmente feridos em fazendas de peles e até mesmo levados ao canibalismo foi totalmente de partir o coração”.

“Em suas minúsculas gaiolas estéreis, esses animais têm qualidade zero de vida, eles simplesmente existem como sombras dos animais selvagens que deveriam ser”.

“É repugnante que o comércio de peles ainda tente justificar esse flagrante sofrimento animal, e esperamos que nossa investigação encoraje os designers que ainda usam essa pele a enxergar através da farsa do chamado ‘pêlo de bem-estar social’”.

Uma raposa é encontrada com a cauda machucada e sem pelos.
(Foto: Humane Society International)

 

Os animais da fazenda estão confinados em minúsculos espaços.
(Foto: Humane Society International)

Um ativista dos direitos animais finlandeses, Oikeutta Elaimille, que acompanhou a HSI nas visitas à fazenda de peles, disse: “Tragicamente, o que vimos nessas fazendas está longe de ser incomum”.

“Eu visitei mais de cem fazendas de peles e o sofrimento dos animais tem sido óbvio em todas as viagens. Cada vez mais países estão proibindo a criação de peles e o apoio do governo finlandês está cada vez mais isolado e desatualizado”.

Em julho, o Comitê de Meio Ambiente de Alimentos e Assuntos Rurais (EFRA) publicou um relatório sobre seu inquérito sobre o comércio de pele no Reino Unido, incluindo a recomendação de que o governo realize uma consulta pública sobre a proibição da venda de peles de animais no Reino Unido.

Outro animal é visto machucado devido a comportamentos agressivos de seus companheiros. (Foto: Humane Society International)

 

Uma raposa branca jovem sofreu ferimentos catastróficos no olho esquerdo. (Foto: Humane Society International)

Há mais de 12 mil minks na fazenda em Ostrobótnia e 2 mil raposas e Finnraccoons na fazenda na Ostrobótnia do Sul.

Um relatório recente do Daily Mail descobriu que muitas lojas do Reino Unido, incluindo a TK Maxx e a Amazon, estavam vendendo peles de verdade – como raposa e cachorro-guaxinim – como peles artificiais.

____________________________________________

A imprensa não apenas informa. Ela forma conceitos. Modifica ideias. Influencia decisões. Define valores. Participa das grandes mudanças sociais e políticas trazendo o mundo para o indivíduo pensar, agir e ser. É justamente este o objetivo da ANDA – Agência de Notícias de Direitos Animais: informar para transformar. A ANDA difunde na mídia os valores de uma nova cultura, mais ética, mais justa e preocupada com a defesa e a garantia dos direitos animais. É o primeiro portal jornalístico do mundo voltado exclusivamente a fatos e informações do universo animal. Com profissionalismo, seriedade e coragem, a ANDA abre um importante canal com jornalistas de todas as mídias e coloca em pauta assuntos que até hoje não tiveram o merecido espaço ou foram mal debatidos na imprensa.

Go to Original – anda.jor.br

 

Share this article:


DISCLAIMER: In accordance with title 17 U.S.C. section 107, this material is distributed without profit to those who have expressed a prior interest in receiving the included information for research and educational purposes. TMS has no affiliation whatsoever with the originator of this article nor is TMS endorsed or sponsored by the originator. “GO TO ORIGINAL” links are provided as a convenience to our readers and allow for verification of authenticity. However, as originating pages are often updated by their originating host sites, the versions posted may not match the versions our readers view when clicking the “GO TO ORIGINAL” links. This site contains copyrighted material the use of which has not always been specifically authorized by the copyright owner. We are making such material available in our efforts to advance understanding of environmental, political, human rights, economic, democracy, scientific, and social justice issues, etc. We believe this constitutes a ‘fair use’ of any such copyrighted material as provided for in section 107 of the US Copyright Law. In accordance with Title 17 U.S.C. Section 107, the material on this site is distributed without profit to those who have expressed a prior interest in receiving the included information for research and educational purposes. For more information go to: http://www.law.cornell.edu/uscode/17/107.shtml. If you wish to use copyrighted material from this site for purposes of your own that go beyond ‘fair use’, you must obtain permission from the copyright owner.


There are no comments so far.

Join the discussion!

We welcome debate and dissent, but personal — ad hominem — attacks (on authors, other users or any individual), abuse and defamatory language will not be tolerated. Nor will we tolerate attempts to deliberately disrupt discussions. We aim to maintain an inviting space to focus on intelligent interactions and debates.

*

code

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.