(Português) Mais de 115 Milhões de Animais São Usados como Cobaias a Cada Ano

ORIGINAL LANGUAGES, 17 Dec 2018

David Arioch | Vegazeta – TRANSCEND Media Service

“Frequentemente, os sintomas e respostas aos tratamentos potenciais observados em outras espécies são diferentes daqueles de pacientes humanos”.

A estimativa pode ser um pouco mais elevada porque nem todos os países coletam e publicam dados referentes ao uso de animais em pesquisas.
(Fotos: Reprodução)

 13 de dezembro de 2018 – Você sabia que há uma estimativa de que mais de 115 milhões de animais no mundo todo são usados em experimentos laboratoriais todos os anos? E o número total pode ser um pouco mais elevada porque nem todos os países coletam e publicam dados referentes ao uso de animais em pesquisas, de acordo com a organização Humane Society International (HSI).

Nos Estados Unidos, por exemplo, pássaros, peixes, anfíbios, répteis e invertebrados não entram nessas estatísticas. Nos países da União Europeia, mais de 12 milhões de animais são usados anualmente – com a França, Alemanha e Reino Unido despontando como as nações que mais utilizam animais em pesquisas.

Só as estatísticas britânicas falam em mais de três milhões de animais, sem incluir aqueles criados com essa finalidade, mas que morrem antes de participarem dos experimentos. “Embora esses animais sofram as tensões e privações no ambiente laboratorial, eles não entram nas estatísticas oficiais”, destaca a HSI.

Organizações que fazem oposição ao uso de animais como cobaias apontam que além do sofrimento físico e psicológico imposto aos animais, os testes também consomem muito tempo e recursos, além de restringir o número de substâncias que podem ser testadas. Is experimentos também são criticados por fornecerem uma compreensão muito limitada de como as substâncias químicas se comportam no corpo.

Há apontamentos de que em muitos casos os testes não predizem corretamente “as reações humanas no mundo real”. Por isso cientistas estão questionando cada vez mais a relevância das experiências que visam “modelar” as doenças humanas em laboratório, criando artificialmente sintomas em outras espécies animais.

“Espelhar doenças humanas ou toxicidade criando artificialmente sintomas em camundongos, cães ou macacos impõe grandes limitações científicas que não podem ser superadas. Frequentemente, os sintomas e respostas aos tratamentos potenciais observados em outras espécies são diferentes daqueles de pacientes humanos. Como consequência, 9 em cada 10 medicamentos que parecem seguros e eficazes em estudos com animais fracassam quando administrados em seres humanos”, enfatiza a Humane Society International.

Atualmente, entre os recursos disponíveis que podem substituir os testes em animais estão as novas tecnologias que envolvem triagem de alta produtividade, modelos computacionais e chips baseados em cultura de células e tecido humano artificial.

No Reino Unido, a Animal Free Research lançou em fevereiro uma campanha que defende que doenças humanas só podem ser examinadas adequadamente usando tecido humano: “Estamos mostrando como a pesquisa que nos ajuda a compreender fundamentalmente a biologia e a doença humana pode e deve ser realizada sem a necessidade de usar animais”, declarou a organização.

Nos Estados Unidos, com a ajuda do Comitê Médico Pela Medicina Responsável, o Instituto Nacional de Saúde (INS) defende a eliminação dos testes em animais e tem declarado que  O INS oferece uma rota direta para proteger melhor milhões de vidas humanas e não humanas.

Vale lembrar também que em julho deste ano cientistas do Centro de Alternativas aos Testes em Animais da Escola de Saúde Pública Bloomberg, da Universidade John Hopkins, de Batilmore, em Maryland, nos Estados Unidos, publicaram um artigo no jornal Toxicological Sciences explicando que eles criaram um sistema de mapeamento de relações entre estruturas químicas e propriedades tóxicas em condições de superar facilmente os testes em animais.

Com esse sistema de inteligência artificial, eles defendem que é possível mapear automaticamente as propriedades tóxicas de qualquer composto químico com muito mais precisão do que os testes em animais. Os cientistas conseguiram obter uma precisão média de 87% nos resultados, o que está muito além dos resultados obtidos nos testes com animais.

_____________________________________________

David Arioch é jornalista profissional, historiador e especialista em jornalismo cultural, histórico e literário.

 

 

Go to Original – vegazeta.com.br

 

Share this article:


DISCLAIMER: In accordance with title 17 U.S.C. section 107, this material is distributed without profit to those who have expressed a prior interest in receiving the included information for research and educational purposes. TMS has no affiliation whatsoever with the originator of this article nor is TMS endorsed or sponsored by the originator. “GO TO ORIGINAL” links are provided as a convenience to our readers and allow for verification of authenticity. However, as originating pages are often updated by their originating host sites, the versions posted may not match the versions our readers view when clicking the “GO TO ORIGINAL” links. This site contains copyrighted material the use of which has not always been specifically authorized by the copyright owner. We are making such material available in our efforts to advance understanding of environmental, political, human rights, economic, democracy, scientific, and social justice issues, etc. We believe this constitutes a ‘fair use’ of any such copyrighted material as provided for in section 107 of the US Copyright Law. In accordance with Title 17 U.S.C. Section 107, the material on this site is distributed without profit to those who have expressed a prior interest in receiving the included information for research and educational purposes. For more information go to: http://www.law.cornell.edu/uscode/17/107.shtml. If you wish to use copyrighted material from this site for purposes of your own that go beyond ‘fair use’, you must obtain permission from the copyright owner.


Comments are closed.