(Português) Tráfico de Animais: Tigre deformado é criado através de incesto numa cruel tentativa de ganhar dinheiro

ORIGINAL LANGUAGES, 14 Jan 2019

Yasmin Ribeiro - ANDA Agência de Notícias de Direitos Animais

Seu criador dizia que seu rosto era assim porque ele “batia o rosto contra a parede”, outros diziam que ele tinha síndrome de Down, e ambos estavam errados.

Foto: Facebook | Reprodução

13 jan 2019 – Este raro tigre branco – cruelmente apelidado de “o tigre mais feio do mundo” – foi criado através do incesto por um traficante de animais que queria fazer uma pequena fortuna. O animal, chamado Kenny, tinha uma face deformada que relatos incorretos afirmavam ser causada ​​pela síndrome de Down.

Seus pais eram irmão e irmã, e todos os seus filhotes, exceto Kenny e um irmão chamado Willie, que era severamente vesgo, eram natimortos ou morriam ao nascer.

O criador alegou que o rosto de Kenny era deformado porque ele batia incessantemente o rosto em uma parede, e ele disse que não matou o filhote quando nasceu porque seu filho o achou “muito fofo”.

Houve uma época em que os traficantes vendiam um único filhote de tigre branco por até 30 mil libras, mas o preço agora é de cerca de 4 mil libras. Mas a deformidade facial de Kenny significava que ele não tinha chance de ser vendido para alguém que poderia querer um tigre raro como animal doméstico.

O animal – conhecido por seu rosto largo, focinho curto e enorme maxilar inferior – nasceu em uma fazenda de tigres em Bentonville, no estado norte-americano de Arkansas, em 1998, onde as condições de higiene eram precárias.

Ele foi resgatado em 2000, quando seu criador pediu à Turpentine Creek Wildlife Refuge, em Eureka Springs, Arkansas, para levá-lo, junto com seu irmão Willie, sua mãe Loretta e seu pai Conway. Os tigres, batizados em homenagem a cantores de música country, estavam em gaiolas imundas, cheias de fezes e restos de galinhas mortas.

Kenny e seu irmão Willie. Foto: Facebook | Reprodução

O santuário disse que o “homem rude” exigiu 7.800 euros pelos tigres, dizendo que suas deformidades atrairiam visitantes, aumentando a venda de ingressos. Mas ele concordou em deixá-los ir de graça depois que a instituição se recusou a pagar.

Os funcionários ficaram chocados com a aparência de Kenny, especialmente seu rosto. Emily McCormack, curadora de animais de Turpentine Creek, disse: “O cavalheiro de quem nós o resgatamos disse que ele constantemente batia o rosto contra a parede. Mas ficou claro que essa não era a situação.”

Ficou claro que a aparência de Kenny era devido à endogamia. McCormack disse que alguns relatos da mídia afirmavam que Kenny tinha síndrome de Down, mas ele parecia estar mentalmente normal.

Ela acrescentou: “Ele agia como o resto deles. Ele tinha um brinquedo favorito, ele corria pelo seu habitat, comia grama, ele parecia meio bobo”. Kenny foi cruelmente rotulado de “o tigre mais feio do mundo”, com pessoas dizendo que ele parecia mais um cachorro do que um gato. Mas ele foi amado no santuário, que lhe deu um lar amoroso.

A vida de Kenny foi curta, infelizmente. Ele morreu em 2008, aos 10 anos, menos da metade da estimativa de vida da espécie, depois de lutar contra o melanoma.

Os tigres brancos não são uma espécie, de acordo com especialistas, que dizem que eles são os descendentes de um cruzamento de tigres siberianos com tigres de bengala.

Em seu site, a Big Cat Rescue disse que todos os tigres brancos são endogâmicos e não puros. “A ÚNICA maneira de criar um tigre ou um leão branco é através da endogamia de irmão para irmão ou de pai para filho; geração após geração após geração. O tipo de endogamia severa que é necessário para produzir a mutação de um tigre ou leão branco também causa uma série de outros defeitos nesses grandes animais.”

____________________________________________

A imprensa não apenas informa. Ela forma conceitos. Modifica ideias. Influencia decisões. Define valores. Participa das grandes mudanças sociais e políticas trazendo o mundo para o indivíduo pensar, agir e ser. É justamente este o objetivo da ANDA – Agência de Notícias de Direitos Animais: informar para transformar. A ANDA difunde na mídia os valores de uma nova cultura, mais ética, mais justa e preocupada com a defesa e a garantia dos direitos animais. É o primeiro portal jornalístico do mundo voltado exclusivamente a fatos e informações do universo animal. Com profissionalismo, seriedade e coragem, a ANDA abre um importante canal com jornalistas de todas as mídias e coloca em pauta assuntos que até hoje não tiveram o merecido espaço ou foram mal debatidos na imprensa.

Go to Original – anda.jor.br

 

Share this article:


DISCLAIMER: In accordance with title 17 U.S.C. section 107, this material is distributed without profit to those who have expressed a prior interest in receiving the included information for research and educational purposes. TMS has no affiliation whatsoever with the originator of this article nor is TMS endorsed or sponsored by the originator. “GO TO ORIGINAL” links are provided as a convenience to our readers and allow for verification of authenticity. However, as originating pages are often updated by their originating host sites, the versions posted may not match the versions our readers view when clicking the “GO TO ORIGINAL” links. This site contains copyrighted material the use of which has not always been specifically authorized by the copyright owner. We are making such material available in our efforts to advance understanding of environmental, political, human rights, economic, democracy, scientific, and social justice issues, etc. We believe this constitutes a ‘fair use’ of any such copyrighted material as provided for in section 107 of the US Copyright Law. In accordance with Title 17 U.S.C. Section 107, the material on this site is distributed without profit to those who have expressed a prior interest in receiving the included information for research and educational purposes. For more information go to: http://www.law.cornell.edu/uscode/17/107.shtml. If you wish to use copyrighted material from this site for purposes of your own that go beyond ‘fair use’, you must obtain permission from the copyright owner.


Comments are closed.