(Português) Mais de Três Mil Golfinhos Sofrem em Cativeiro no Mundo

ORIGINAL LANGUAGES, 13 Jan 2020

David Arioch | Vegazeta – TRANSCEND Media Service

9 jan 2020 – Há 3.029 golfinhos mantidos em cativeiros e usados como atrações em 54 países, e confinados em espaços até 200 mil vezes menores que seu habitat.

Golfinhos vivem situações diárias em que são puxados pelas nadadeiras, têm de suportar treinadores sobre suas costas. (SeaWorld/Divulgação)

Em 54 países, há 3029 golfinhos mantidos em cativeiro e usados como atrações em 336 delfinários. São animais confinados a espaços até 200 mil vezes menores do que a extensão de seu habitat, de acordo com a ONG World Animal Protection (WAP).

E se esses animais continuam sendo confinados para apreciação humana é porque há espectadores. No Brasil, por exemplo, a Latam e a CVC Viagens comercializam pacotes que incluem visitas a delfinários.

Imagine como seria ser capturado de um ambiente natural em que se tem liberdade de ir e vir para viver em um pequeno espaço onde alguém te diz diariamente o que fazer ou não fazer?

Além disso, golfinhos vivem situações diárias em que são puxados pelas nadadeiras, têm de suportar treinadores sobre suas costas, empurrá-los para fora da água com o focinho, girar em círculos na beira da piscina e usar chapéus e óculos, além de outros exemplos que se opõem à sua natureza.

Infelizmente o cenário para 2020 não parece tão auspicioso quanto deveria. Na China, por exemplo, o número de parques temáticos marinhos duplicou de 2015 a 2019, ultrapassando 80 parques aquáticos marinhos. Outros países que também se destacam nesse tipo de “entretenimento” são Estados Unidos, México, Espanha, Rússia e Japão, além do Caribe.

“A boa notícia é, que segundo nossa pesquisa, 90% dos brasileiros [em viagem ao exterior] que estiveram em atrações com golfinhos prefeririam observá-los livres na natureza”, informa a WAP, acrescentando que os golfinhos nariz-de-garrafa são seis vezes mais propensos a morrer após a captura.

E acrescenta: “Construídos de forma artificial e cheios de cloro, esses tanques minúsculos nem chegam perto de simular a complexidade dos oceanos e praias.” Por isso a ONG criou uma petição pedindo que o Grupo Expedia, que mais vende ingressos para esse tipo de evento, deixe de contribuir com os delfinários.

Se você é contra entretenimento com golfinhos, você pode assinar a petição CLICANDO AQUI.

Santuários da vida marinha

A World Animal Protection defende que, como muitos golfinhos utilizados como entretenimento não sobreviveriam na natureza, que eles sejam remanejados para santuários da vida marinha.

“Estamos pedindo aos locais que façam a transição de seus modelos de negócios, afastando-se da crueldade contra os animais imediatamente, e que deixem de reproduzir ou capturar golfinhos.”

_____________________________________________

 

David Arioch é jornalista profissional, historiador e especialista em jornalismo cultural, histórico e literário.

 

Go to Original – vegazeta.com.br


Tags: , , ,

 

Share this article:


DISCLAIMER: The statements, views and opinions expressed in pieces republished here are solely those of the authors and do not necessarily represent those of TMS. In accordance with title 17 U.S.C. section 107, this material is distributed without profit to those who have expressed a prior interest in receiving the included information for research and educational purposes. TMS has no affiliation whatsoever with the originator of this article nor is TMS endorsed or sponsored by the originator. “GO TO ORIGINAL” links are provided as a convenience to our readers and allow for verification of authenticity. However, as originating pages are often updated by their originating host sites, the versions posted may not match the versions our readers view when clicking the “GO TO ORIGINAL” links. This site contains copyrighted material the use of which has not always been specifically authorized by the copyright owner. We are making such material available in our efforts to advance understanding of environmental, political, human rights, economic, democracy, scientific, and social justice issues, etc. We believe this constitutes a ‘fair use’ of any such copyrighted material as provided for in section 107 of the US Copyright Law. In accordance with Title 17 U.S.C. Section 107, the material on this site is distributed without profit to those who have expressed a prior interest in receiving the included information for research and educational purposes. For more information go to: http://www.law.cornell.edu/uscode/17/107.shtml. If you wish to use copyrighted material from this site for purposes of your own that go beyond ‘fair use’, you must obtain permission from the copyright owner.


Comments are closed.