(Português) Engodo: Indústria de pele cria campanha para mascarar sofrimento animal

ORIGINAL LANGUAGES, 3 Feb 2020

Giovanna de Castro - ANDA Agência de Notícias de Direitos Animais

Animais são mantidos em gaiolas minúsculas, sem alimento, sob intenso estresse psicológico a ponto de se mutilarem e praticarem canibalismo.

Chega de Maldade/PETA

2 fev 2020 – Investigações realizadas por ativistas em defesa dos direitos animais em todo mundo desmascararam a realidade de animais escravizados e explorados unicamente para a satisfação humana, seja em fazendas, laboratórios, zoológicos, circos e outros, mas um dos locais onde ocorrem os maus-tratos mais cruéis são em fazendas de pele. Nestes locais, animais são mantidos em gaiolas minúsculas, sem alimento, sob intenso estresse psicológico a ponto de se mutilarem e praticarem canibalismo. Os recintos são repletos de sujeira, fezes, urina e cadáveres de outros animais e isso é apenas a ponta do iceberg.

Na indústria de peles, os animais são retirados da natureza sendo capturados por armadilhas que provocam ferimentos profundos e extremamente dolorosos. Para que a pele atenda as exigências do mercado, os animais são esfolados ainda vivos e deixados em agonia sofrendo uma morte lenta e indescritível. Felizmente, com a internet e as redes sociais, essas informações rapidamente chegaram ao público e o interesse de peles de origem animal caem continuamente. Para tentar reter essa queda causada por denúncias de maus-tratos e crueldade contra animais, esta indústria brutal está tentando reagir.

Assim como fez a indústria pecuária ao criar políticas bem-estaristas como “ovos de galinhas livres” e “porcos fora das jaulas”, a indústria de pele também está trabalhando em estratégias de suposto bem-estar animal para tentar tornar legítimo e aceitável o sofrimento de animais apenas para atender mercados de vestuário e acessórios. Essas campanhas, chamadas de “WelFur”, algo como “pele do bem”, estão sendo fortemente criticada por ativistas e organizações de defesa animal que chamam as propagandas de “espelho e fumaça”, uma expressão que significa “imagem ilusória” e ficou popular pelo escritor britânico Neil Gaiman para descrever engôdos, propagandas enganosas.

Segundo a Humane Society International (HSI), a campanha é “cínica” e é uma tentativa de “mascarar o sofrimento dos animais” apenas por interesse financeiro. A organização afirma ainda que é impossível que qualquer indústria que mantenha animais em cativeiro seja capaz de atender as necessidades físicas e emocionais destes animais. Raposas precisam cavar para construírem suas tocas e visons são animais semi-aquáticos que precisam estar constantemente em contato com a água. O WelFur, segundo a HSI, é uma forma de defender o indefensável e tentar impedir o fim de uma indústria que está ultrapassada e precisa ser banida.

Grandes indústrias como Gucci, Versace e Prada já anunciaram que não usarão mais pele de origem animal em suas coleções. O mundo está em transformação e tentativas de “fumaça e espelho” não encontram mais lugar nas novas gerações.

____________________________________________

ANDA–Agência de Notícias de Direitos Animais: informar para transformar. A ANDA difunde na mídia os valores de uma nova cultura, mais ética, mais justa e preocupada com a defesa e a garantia dos direitos animais. É o primeiro portal jornalístico do mundo que combate a violência social e a destruição do meio ambiente a partir da defesa dos direitos dos animais. Contato: faleconosco@anda.jor.br

Go to Original – anda.jor.br


Tags: , , , , ,

 

Share this article:


DISCLAIMER: The statements, views and opinions expressed in pieces republished here are solely those of the authors and do not necessarily represent those of TMS. In accordance with title 17 U.S.C. section 107, this material is distributed without profit to those who have expressed a prior interest in receiving the included information for research and educational purposes. TMS has no affiliation whatsoever with the originator of this article nor is TMS endorsed or sponsored by the originator. “GO TO ORIGINAL” links are provided as a convenience to our readers and allow for verification of authenticity. However, as originating pages are often updated by their originating host sites, the versions posted may not match the versions our readers view when clicking the “GO TO ORIGINAL” links. This site contains copyrighted material the use of which has not always been specifically authorized by the copyright owner. We are making such material available in our efforts to advance understanding of environmental, political, human rights, economic, democracy, scientific, and social justice issues, etc. We believe this constitutes a ‘fair use’ of any such copyrighted material as provided for in section 107 of the US Copyright Law. In accordance with Title 17 U.S.C. Section 107, the material on this site is distributed without profit to those who have expressed a prior interest in receiving the included information for research and educational purposes. For more information go to: http://www.law.cornell.edu/uscode/17/107.shtml. If you wish to use copyrighted material from this site for purposes of your own that go beyond ‘fair use’, you must obtain permission from the copyright owner.


There are no comments so far.

Join the discussion!

We welcome debate and dissent, but personal — ad hominem — attacks (on authors, other users or any individual), abuse and defamatory language will not be tolerated. Nor will we tolerate attempts to deliberately disrupt discussions. We aim to maintain an inviting space to focus on intelligent interactions and debates.

*

code

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.