(Português) Enquanto a Amazônia queima, o que acontece com a biodiversidade?

ORIGINAL LANGUAGES, 19 Oct 2020

Liz Kimbroughem (Mongabay) | ANDA Agência de Notícias de Direitos Animais – TRANSCEND Media Service

Estudos mostram que onde o fogo está aumentando na Amazônia, a biodiversidade é alterada, com a flora e a fauna únicas da floresta tropical – e serviços ecológicos vitais.

Pixabay

17 out 2020 – Mais de 40% dos incêndios na Amazônia brasileira neste ano estão ocorrendo em florestas, com mais de 4,6 milhões de acres já impactados este ano. Embora longe de serem totalmente estudados, esses incêndios florestais têm grandes repercussões para a flora e fauna.

Um estudo descobriu, por exemplo, que a abundância e os tipos de espécies de besouros se alteram nas florestas amazônicas queimadas. Os besouros desempenham papéis vitais no ciclo de nutrientes e na dispersão de sementes. Outra pesquisa detectou declínios em borboletas, espécies de formigas florestais, outros invertebrados alguns pássaros, pequenos mamíferos e cobras que vivem em áreas recentemente queimadas.

As árvores da floresta tropical são especialmente vulneráveis porque o fogo é relativamente novo na Amazônia e as árvores ali não desenvolveram resistência ao fogo. Um incêndio na floresta tropical, queimando a floresta pela primeira vez, mata a maioria das árvores pequenas e mudas e pode matar 50% das árvores grandes.

Vários incêndios ao longo do tempo continuam reduzindo a biodiversidade. Alguns cientistas temem que uma combinação de incêndios, aumento da seca devido às mudanças climáticas e desmatamento possa levar a um ponto de inflexão – com impactos devastadores para a Amazônia, que abriga 10% da biodiversidade mundial.

O número de queimadas na floresta amazônica em pé aumentou dramaticamente nas últimas semanas, ameaçando a biodiversidade da floresta – uma riqueza de flora e fauna não adaptada para resistir às chamas.

De todos os principais incêndios detectados na Amazônia este ano, 43% foram em florestas densas, até 21 de setembro (contra apenas 13% em agosto), de acordo com o MAAP, sem fins lucrativos . A floresta queimada é estimada em cerca de 4,6 milhões de acres (1,8 milhões de hectares) – uma área com cerca de três quintos do tamanho da Bélgica.

Grandes incêndios no Brasil em 2020

Os dados de incêndio do Amazon Fire Monitoring App do MAAP são atualizados em tempo real e incluirão dados posteriores a 21 de setembro de 2020
| Cartografia de Willie Shubert em colaboração com InfoAmazonia.org

Os incêndios não ocorrem naturalmente na floresta amazônica. Portanto, para que os incêndios ocorram em uma floresta densa, algumas coisas devem acontecer, a saber, um ano de seca e muitas fontes de ignição em terras vizinhas. Essas fontes – causadas quase exclusivamente pelo homem – podem surgir de incêndios agrícolas descontrolados (usados rotineiramente para queimar áreas de cultivo e pastagens para remover pragas, por exemplo) ou de queimadas feitas intencionalmente para limpar terras após o desmatamento, muitas delas ilegais.

“É difícil saber o que é ‘típico’ quando se trata de fogo na Amazônia”, disse ao Mongabay Jos Barlow, professor de ciência da conservação na Lancaster University, no Reino Unido. Barlow, que estuda os incêndios na Amazônia há mais de duas décadas, acrescentou: “No ano passado… tivemos muitos incêndios por desmatamento… Considerando que, neste ano, parece que os incêndios estão queimando mais áreas de floresta em pé, o que é uma grande preocupação. ”

Os incêndios na Amazônia que chamaram a atenção internacional em 2019 seguiram em grande parte um padrão de desmatamento recente, impulsionado por grileiros, encorajado pela retórica pró-agronegócio do presidente Jair Bolsonaro. Em fevereiro, mais de 1.200 cientistas assinaram uma carta, afirmando que, “o governo do presidente Jair Bolsonaro está desmontando as políticas socioambientais do país”.

Em comentários às Nações Unidas nesta semana, Bolsonaro disse que o país tem, “a melhor legislação ambiental do planeta”, e que, “os incêndios praticamente ocorrem nos mesmos locais, na zona leste da floresta, onde os camponeses e Índios queimam seus campos em áreas já desmatadas ”. Ele não forneceu evidências para esta afirmação.

Análises do MAAP, NASA, INPE e outros mostram um padrão generalizado de incêndios em toda a Amazônia brasileira, que inclui queimadas ilegais significativas em áreas conservadas – causando sérios danos ao país de maior biodiversidade do mundo.

Quando queima, o que acontece com a vida na floresta?

A floresta tropical queima lentamente. Uma linha de fogo pode avançar apenas 300 metros em 24 horas, diz Barlow. Essas queimaduras de movimento lento dão aos grandes animais móveis bastante tempo para fugir. Mas onde ir? As opções são cavar, ir para a água ou mover-se para outras áreas. A maioria dos animais não pode simplesmente entrar no território de outro sem consequências: seja a violência de um competidor, ou simplesmente a falta de recursos como comida e abrigo. Infelizmente, a pesquisa sobre os impactos disso é limitada.

“Não sabemos realmente o que acontece com os animais maiores que são forçados a se mudar para outros territórios”, disse Barlow. “Então, presumimos que em algum ponto, haverá uma redução no tamanho da população, porque você não pode simplesmente ter mais animais em uma área.”

Os primatas, por exemplo, podem ficar presos em ilhas de vegetação não queimada na floresta queimada, persistindo na comida remanescente até que sejam forçados a se arriscar a viajar para um habitat estrangeiro. Incêndios em 2019 queimaram o habitat de umrecently discovered species, o mico-leão-marinho de Mura. Mas os efeitos em sua população são desconhecidos.

“Quem pode sobreviver às chamas? Sabemos que os artrópodes que aninham no solo geralmente se dão muito bem ”, disse ao Mongabay por e-mail Lucas N. Paolucci, professor de biologia da Universidade Federal de Viçosa, Brasil. “Mas vários outros, como invertebrados que vivem da ninhada, alguns pássaros, pequenos mamíferos e cobras frequentemente morrem diretamente devido às chamas.”

“Você vê os pequenos invertebrados tentando fugir das chamas e obviamente eles não sobrevivem”, disse Barlow. “Nós encontramos tartarugas e tartarugas marinhas no solo da floresta com cicatrizes de queimaduras em suas cascas. Então, alguns animais são afetados e queimam.” Mas quantos animais podem morrer nas grandes chamas deste ano, ninguém pode dizer.

Sabe-se que as árvores da floresta tropical são especialmente vulneráveis ao fogo. Como o fogo é um elemento relativamente novo e estranho na Amazônia, a floresta e a vida dentro dela não evoluíram para resistir às chamas. As árvores tropicais, por exemplo, não têm a casca espessa de espécies adaptadas ao fogo temperado, como sequóias ou pinheiros. Um incêndio na floresta tropical, queimando a floresta pela primeira vez, mata a maioria das árvores pequenas e mudas e pode matar 50% das árvores grandes. As sementes no solo aquecidas a altas temperaturas podem perder sua capacidade de germinar.

Embora árvores maiores não possam ser mortas imediatamente, o dano causado pelo fogo em um tronco pode causar um ferimento mortal, permitindo que patógenos entrem no tronco. Essas árvores demoram anos para morrer. Mas, à medida que sucumbem, eles abrem a copa, tornando as árvores sobreviventes mais suscetíveis a serem derrubadas em tempestades de vento. Quando essas grandes árvores caem, o sub-bosque escuro da floresta tropical fica comprometido, com consequências devastadoras para a biota que evoluiu em sombras profundas.

Barlow e seus colegas descobriram que, após os incêndios na floresta amazônica, a flora muda radicalmente. As aves especializadas do sub-bosque, que se alimentam de serapilheira, “basicamente desapareceram” e as populações ainda não se recuperaram dez anos depois. Essa descoberta não é surpreendente, diz ele, porque uma década após o incêndio, as florestas tropicais parecem muito diferentes, com menos biomassa e um dossel aberto.

Pixabay

Um estudo indicou que a abundância e os tipos de espécies de besouros de esterco foram alterados nas florestas amazônicas queimadas. Os besouros desempenham um papel vital no ciclo de nutrientes e na dispersão de sementes, e um declínio em sua diversidade tem efeitos em cascata no ecossistema.

Em um grande estudo experimental, áreas florestais que foram queimadas várias vezes viram um declínio na abundância de espécies de formigas. Essas espécies espalham sementes, desempenham papéis específicos na cadeia alimentar da floresta e trabalham o solo por meio de escavações. Após os incêndios, essas espécies de formigas foram substituídas por um influxo de comunidades de formigas de áreas de habitat mais aberto, como savanas. A perda dessas espécies florestais significa a perda do trabalho especializado que fazem.

Na mesma área de queima experimental, outro estudo encontrou padrões semelhantes de perda de espécies de borboletas, com especialistas florestais diminuindo em áreas queimadas. Há um crescente corpo de evidências demonstrando que o fogo é uma ameaça com consequências de longo prazo para animais e plantas que requerem o microclima fresco, úmido e serapilheira da floresta amazônica.

Como as florestas se recuperam?

Como os incêndios florestais são um fenômeno mais recente na Amazônia, os cientistas ainda não têm certeza de quanto tempo leva para as florestas se recuperarem totalmente, ou mesmo se o fazem. Não é surpreendente que os pesquisadores examinem uma floresta nos anos após um incêndio e encontrem uma perda de biodiversidade, mas o destino dos animais na terra e na água, bem como o papel dessa biodiversidade no apoio à recuperação florestal, permanece um mistério.

Conforme os pesquisadores examinam essas paisagens, surgem surpresas. Por exemplo, as anta-brasileiras (Tapirus terrestris), um grande mamífero comedor de frutas que se parece um pouco com um porco cruzado com um elefante, podem ajudar na recuperação natural de florestas queimadas, descobriu a equipe de Paolucci em um estudo recente.As antas viajam e defecam com mais frequência em florestas degradadas, dispersando até três vezes mais sementes do que em florestas saudáveis.

No entanto, esses achados de antas envolveram pequenos incêndios experimentais e ocorreram perto de florestas intactas não queimadas. “O que acontece em uma paisagem fragmentada quando uma área queimada não é adjacente a uma área não queimada?” Barlow pergunta. “De onde virão as fontes de sementes então? E como a floresta se recupera quando você não tem conectividade florestal ou a capacidade de caça grande e os pássaros para ajudar a dispersar as sementes? ”

Em áreas que queimaram várias vezes, ou em áreas com grande quantidade de desmatamento e pouca conectividade, com pouca chance de se recuperar, a floresta muda de uma floresta primária de dossel fechada para o que Barlow descreve como “essencialmente bambu arbustivo aberto e dominado por videiras vegetação, que é muito, muito inflamável. ” Esta paisagem, agora desprovida de caça, alimentos e medicamentos, é “de valor muito baixo para a população local, bem como para a maioria das espécies florestais”.

“A Amazônia é como uma bolha… se as árvores estão intactas, ela mantém a umidade sob a copa da floresta”, disse Ernesto Alvarado, professor de ciências do fogo em áreas florestais da Universidade de Washington. Extração de madeira, estradas, desmatamento e incêndios podem estourar essa bolha de umidade. “Você abre o dossel, certo? É como um monte de buracos na bolha, e agora é melhor a umidade escapar e a floresta fica mais seca.”

Além disso, a estação seca da Amazônia está ficando mais longa e as mega secas mais comuns, principalmente devido às mudanças climáticas e ao desmatamento.Perto do final da estação seca, as plantas em partes mais sazonais da Amazônia não devem depender da chuva, mas da água retida no solo para continuar transpirando e liberando umidade na atmosfera. Mas quando a estação seca se estende além da observada em anos anteriores, as plantas ficam sem água no solo e algumas reduzem sua demanda por umidade deixando cair as folhas. Esta serapilheira seca está pronta para queimar quando um incêndio em um campo vizinho arde fora de controle.

“Todos esses anos, quando os incêndios dominaram, as plantas ficaram com falta de água”, disse Paulo Brando, ecologista tropical da Universidade da Califórnia em Irvine, “e então, para os animais … todo tipo de problema, certo? Porque a disponibilidade de recursos em termos de frutas e energia diminui muito se houver uma combinação de secas e incêndios.”

A Amazônia dispara amanhã

O futuro da floresta amazônica dependerá de complexas interações entre fogo, desmatamento e agravamento da seca devido à mudança climática, bem como outras causas humanas.

Alguns cientistas alertam que a Amazônia está se aproximando de um ponto crítico, quando a precipitação diminui até a transição da floresta tropical para uma “savana derivada”. No entanto, ao contrário de uma savana natural, que é um sistema altamente diverso e funcional, uma Amazônia severamente degradada pode parecer mais com “um sistema [ecológico] muito empobrecido, menos diverso, fornecendo menos funções”, disse Brando.

____________________________________________

ANDA–Agência de Notícias de Direitos Animais: informar para transformar. A ANDA difunde na mídia os valores de uma nova cultura, mais ética, mais justa e preocupada com a defesa e a garantia dos direitos animais. É o primeiro portal jornalístico do mundo que combate a violência social e a destruição do meio ambiente a partir da defesa dos direitos dos animais. Contato: faleconosco@anda.jor.br

Tradução Jhaniny Ferreira

Go to Original – anda.jor.br


Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

 

Share this article:


DISCLAIMER: The statements, views and opinions expressed in pieces republished here are solely those of the authors and do not necessarily represent those of TMS. In accordance with title 17 U.S.C. section 107, this material is distributed without profit to those who have expressed a prior interest in receiving the included information for research and educational purposes. TMS has no affiliation whatsoever with the originator of this article nor is TMS endorsed or sponsored by the originator. “GO TO ORIGINAL” links are provided as a convenience to our readers and allow for verification of authenticity. However, as originating pages are often updated by their originating host sites, the versions posted may not match the versions our readers view when clicking the “GO TO ORIGINAL” links. This site contains copyrighted material the use of which has not always been specifically authorized by the copyright owner. We are making such material available in our efforts to advance understanding of environmental, political, human rights, economic, democracy, scientific, and social justice issues, etc. We believe this constitutes a ‘fair use’ of any such copyrighted material as provided for in section 107 of the US Copyright Law. In accordance with Title 17 U.S.C. Section 107, the material on this site is distributed without profit to those who have expressed a prior interest in receiving the included information for research and educational purposes. For more information go to: http://www.law.cornell.edu/uscode/17/107.shtml. If you wish to use copyrighted material from this site for purposes of your own that go beyond ‘fair use’, you must obtain permission from the copyright owner.


There are no comments so far.

Join the discussion!

We welcome debate and dissent, but personal — ad hominem — attacks (on authors, other users or any individual), abuse and defamatory language will not be tolerated. Nor will we tolerate attempts to deliberately disrupt discussions. We aim to maintain an inviting space to focus on intelligent interactions and debates.

*

code

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.