(Português) Quando Não Viu mais Sentido em Comer Animais

ORIGINAL LANGUAGES, 9 May 2022

David Arioch | Vegazeta – TRANSCEND Media Service

“O que mais me incomodou foi a ideia de corpos que já não se levantam…”

Petz

9 maio 2022 – Descontentamento foi como lufada quente no rosto quando refletiu sobre os animais que comeu por tantos anos. Não pensou em número específico, não calculou nada. Não queria estimativa. Só reconheceu como o cômodo que repete-se na irreflexão é estranho ardil.

Sentiu desconcerto no ritmo do coração e vergonha. Lembrou dos sorrisos, dos sabores, dos prazeres, das vezes em que não viu sentido e achou fósmeo comer algo sem carne, leite ou qualquer coisa de origem animal.

“É como um mundo de privações, de abstenção do bom viver. E assim vale a pena viver?”, rememorou. Então já não era aquela, que não imaginou deixar de ser, mas quem imagina quando o ser está cativo ou manietado em consciência julgada imperturbável?

Não buscou mudança, não consciente. Apenas chegou, instalou-se e ficou. Quando olhou para trás, mirou sua imagem virada para si, desfazendo-se sem acenar, sem despedida, carregando ideia de nostalgia que partiu sem forma. “De carne em mim, basta a minha própria”, refletiu.

Antes de sua imagem desaparecer, seu corpo movia-se deixando partes de animais pelo caminho. Uma trilha de fragmentos não humanos estendeu-se tão longe que sentiu os olhos cansados.

Veio uma imagem de animais que até então não reconheceu, porque não os via. De adulta, virou adolescente e criança, na inversão cronológica das vontades condicionadas. Na pequenez, agarrando uma coxa que não era sua e mordendo para celebrar nova porção de dentes, viu outro esmaecimento.

Foram semanas de conflitos que venceram-na pelo que não ansiou. Mas não era sobre vitória ou derrota. Não é nada disso. Um desconforto a levou a esfregar os olhos no começo, até que a coceira desapareceu. Também decidiu lavá-los doutra maneira. Água? Não era necessária.

“Um dia, pensei no quebra-cabeças da existência, e como matéria, que não é minha, na ausência do todo pela parte, nos retalhos dispersos de ex-vidas que formam uma alimentação tradicional. E também nos olhos que não poderiam ser trazidos para o meu prato, nos lábios que não são meus. Por que fechá-los e privá-los? Mas o que mais me incomodou foi a ideia de corpos que já não se levantam…”

_____________________________________________

 

David Arioch é jornalista profissional, historiador e especialista em jornalismo cultural, histórico e literário (MTB: 10612/PR). http://davidarioch.com

 

Go to Original – vegazeta.com.br


Tags: , , , ,

 

Share this article:


DISCLAIMER: The statements, views and opinions expressed in pieces republished here are solely those of the authors and do not necessarily represent those of TMS. In accordance with title 17 U.S.C. section 107, this material is distributed without profit to those who have expressed a prior interest in receiving the included information for research and educational purposes. TMS has no affiliation whatsoever with the originator of this article nor is TMS endorsed or sponsored by the originator. “GO TO ORIGINAL” links are provided as a convenience to our readers and allow for verification of authenticity. However, as originating pages are often updated by their originating host sites, the versions posted may not match the versions our readers view when clicking the “GO TO ORIGINAL” links. This site contains copyrighted material the use of which has not always been specifically authorized by the copyright owner. We are making such material available in our efforts to advance understanding of environmental, political, human rights, economic, democracy, scientific, and social justice issues, etc. We believe this constitutes a ‘fair use’ of any such copyrighted material as provided for in section 107 of the US Copyright Law. In accordance with Title 17 U.S.C. Section 107, the material on this site is distributed without profit to those who have expressed a prior interest in receiving the included information for research and educational purposes. For more information go to: http://www.law.cornell.edu/uscode/17/107.shtml. If you wish to use copyrighted material from this site for purposes of your own that go beyond ‘fair use’, you must obtain permission from the copyright owner.


There are no comments so far.

Join the discussion!

We welcome debate and dissent, but personal — ad hominem — attacks (on authors, other users or any individual), abuse and defamatory language will not be tolerated. Nor will we tolerate attempts to deliberately disrupt discussions. We aim to maintain an inviting space to focus on intelligent interactions and debates.

*

code

Note: we try to save your comment also when there are technical problems or a mistake in the Captcha. Still, for long comments we recommend that you copy them somewhere else as a backup before you submit them.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.