(Português) A Ciência É Importante na Defesa dos Direitos Animais

ORIGINAL LANGUAGES, 19 Sep 2022

David Arioch | Vegazeta – TRANSCEND Media Service

Num mundo de inferiorização não humana com viés exploratório, e pondero sobre a dominação como fator-perpétuo, porque vida e morte são “trânsitos para lucro e consumo”, como partes de interesse de um sistema perenal, até o óbvio precisa ser esmiuçado para servir como contestação às violências físicas e não físicas impostas aos outros animais.

Andrew Skowron

11 de setembro de 2022 – São importantes os estudos que proporcionam clarificação sobre o comportamento dos animais, suas maneiras de agir, enfim, viver, principalmente se visam mudar a maneira como vemos os mais desfavorecidos e mais encabrestados, ou seja, aqueles a quem, por espécie, determinamos servilidade.

Então penso no que diz a ciência sobre a senciência e a inteligência animal; sobre as capacidades não humanas e suas multifárias possibilidades. Reconheço como reforços de uma constatação que não distancia-se do que parece-nos tão óbvio.

Num mundo de inferiorização não humana com viés exploratório, e pondero sobre a dominação como fator-perpétuo, porque vida e morte são “trânsitos para lucro e consumo”, como partes de interesse de um sistema perenal, até o óbvio precisa ser esmiuçado para servir como contestação às violências físicas e não físicas impostas aos outros animais.

Porque o reconhecimento aos olhos, à clareza de qualquer consciência predisposta, ainda é insuficiente em um “mundo” que requer “formalização e documentação científica e jurídica que contraponha suas axiomáticas hipocrisias” – não reconhecidas assim, por mais ilógicas que sejam.

E mesmo quando apresentadas são rejeitadas pelos “vazios cômodos da civilidade”, que permite-me também uma percepção de incivilidade, que creio ser mais condizente com essa falha de nosso tempo quando refere-se à inconsideração sobre quem não somos, portanto, rejeitamos (como indivíduos) ou apequenamos.

Quando tais hipocrisias são legitimadas, logo naturalizadas, não são vistas como hipocrisias, e porque o mundo civilizado articula-se muito por aparências e incongruências, porque as aparências se percebidas como desconectadas de uma construção do real evocam com clareza o máximo de nossos equívocos. E não é esse pensamento que acompanha-nos quando vemos nos animais sujeitos de direitos?

Mas, se nos educamos sobre isso, e surge um efeito extensivo, há melhores condições de enfraquecer as demandas de fragilização das contestações a essa arbitrariedade. Assim, a nocente resistência jurídica ou de qualquer outra ordem não teria como perseverar, como é comum hoje.

_____________________________________________

David Arioch é jornalista profissional, historiador e especialista em jornalismo cultural, histórico e literário (MTB: 10612/PR). http://davidarioch.com

 

Go to Original – vegazeta.com.br


Tags: , , , , , ,

 

Share this article:


DISCLAIMER: The statements, views and opinions expressed in pieces republished here are solely those of the authors and do not necessarily represent those of TMS. In accordance with title 17 U.S.C. section 107, this material is distributed without profit to those who have expressed a prior interest in receiving the included information for research and educational purposes. TMS has no affiliation whatsoever with the originator of this article nor is TMS endorsed or sponsored by the originator. “GO TO ORIGINAL” links are provided as a convenience to our readers and allow for verification of authenticity. However, as originating pages are often updated by their originating host sites, the versions posted may not match the versions our readers view when clicking the “GO TO ORIGINAL” links. This site contains copyrighted material the use of which has not always been specifically authorized by the copyright owner. We are making such material available in our efforts to advance understanding of environmental, political, human rights, economic, democracy, scientific, and social justice issues, etc. We believe this constitutes a ‘fair use’ of any such copyrighted material as provided for in section 107 of the US Copyright Law. In accordance with Title 17 U.S.C. Section 107, the material on this site is distributed without profit to those who have expressed a prior interest in receiving the included information for research and educational purposes. For more information go to: http://www.law.cornell.edu/uscode/17/107.shtml. If you wish to use copyrighted material from this site for purposes of your own that go beyond ‘fair use’, you must obtain permission from the copyright owner.


There are no comments so far.

Join the discussion!

We welcome debate and dissent, but personal — ad hominem — attacks (on authors, other users or any individual), abuse and defamatory language will not be tolerated. Nor will we tolerate attempts to deliberately disrupt discussions. We aim to maintain an inviting space to focus on intelligent interactions and debates.

*

code

Note: we try to save your comment also when there are technical problems or a mistake in the Captcha. Still, for long comments we recommend that you copy them somewhere else as a backup before you submit them.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.