(Português) Animicídio

POETRY FORMAT, 3 Oct 2016

José Santa Rita Xisto – TRANSCEND Media Service

As garras aceradas da desgraça
Meu corpo invisível dilaceram;
E agora que as esp’ranças já morreram,
Maior é esta dor que me trespassa!

Da pútrida matéria tão devassa,
As mortificações não contiveram
Aqueles desatinos que a perderam
Do divinal conforto e sua graça!

Que culpa, minha alma tu tiveste
Em vir num invólucro à vida?
Oh! foge, meu gentil corpo celeste.

Escapa-te da caixa corrompida,
Em que prisão tão lúgubre sofreste,
E vai gozar a vida prometida.
_____________________________________

Poema de 1966 do livro Expessões da Alma. José Santa Rita era de nacionalidade portuguesa.

Enviado por Filipe Sousa, TMS Estagiário e membro da Rede TRANSCEND.

 

This article originally appeared on Transcend Media Service (TMS) on 3 Oct 2016.

Anticopyright: Editorials and articles originated on TMS may be freely reprinted, disseminated, translated and used as background material, provided an acknowledgement and link to the source, TMS: (Português) Animicídio, is included. Thank you.

If you enjoyed this article, please donate to TMS to join the growing list of TMS Supporters.

Share this article:

Creative Commons License
This work is licensed under a CC BY-NC 4.0 License.


Comments are closed.