(Português) Amazónia Desaparece a um Ritmo de 2000 Campos de Futebol por Dia

ORIGINAL LANGUAGES, 25 Nov 2019

Visão – TRANSCEND Media Service

22 nov 2019 – Os dados são do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais brasileiro, que revelou um aumento de 30% em relação ao ano anterior. A maior subida desde 1998.

Getty Images

Uma área de 9762 km² foi desflorestada entre agosto de 2018 e 31 de julho deste ano, representando um aumento de 29,5% — a maior percentagem desde 1998, ano em que a devastação teve um aumento de 31 por cento. Os dados são do PRODES, um projeto do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) que desde 1988 mede as taxas anuais de desflorestação.

O índice apresentado no dia 18 de novembro foi o mais alto de desflorestação desde 2008, nesse ano a área devastada foi de 12 911 km². O ministro brasileiro do Ambiente, Ricardo Salles, numa conferência na sede do INPE, atribuiu o aumento a atividades como a exploração de minério, extração de madeira e ocupação ilegal do solo. Em resposta ao jornal brasileiro Globo, o ministro não rejeita a hipótese de usar militares no combate à desflorestação e acrescentou que há um debate em torno de um possível retorno do Fundo Amazónia. Recorde-se que o fundo – que desde 2008 recebeu 3,4 mil milhões de reais (cerca de 730 milhões de euros) em doações de países como a Alemanha ou Noruega – foi desmantelado depois de Salles afirmar que tinha havido irregularidades na gestão dos fundos e de tentar mudar o conselho de administração.

Confrontado com os dados do INPE pelo Globo, o Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, questionou se as mesmas perguntas eram feitas à ex-ministra do Ambiente, Marina Silva, que, segundo ele, foi a recordista da desflorestação. Em agosto deste ano, Bolsonaro questionou a credibilidade dos dados do mesmo instituto, aquando do anúncio de um aumento de 88% de desflorestação em relação ao mês homólogo de 2018. O presidente brasileiro afirmou que os números eram “mentirosos” e acusou o ex-diretor do INPE de “estar ao serviço de uma ONG”.

A credibilidade do PRODES é reconhecida pelos cientistas brasileiros e internacionais. Este projeto, que funciona através da utilização de satélites com a ajuda da China e do Reino Unido, é determinante no planeamento de políticas públicas da Amazónia. Um estudo publicado na Science, a partir de análises realizadas por especialistas independentes, indica um nível de precisão próximo dos 95 por cento.

Go to Original – visao.sapo.pt


Tags: , , , , , , , , , ,

 

Share this article:


DISCLAIMER: The statements, views and opinions expressed in pieces republished here are solely those of the authors and do not necessarily represent those of TMS. In accordance with title 17 U.S.C. section 107, this material is distributed without profit to those who have expressed a prior interest in receiving the included information for research and educational purposes. TMS has no affiliation whatsoever with the originator of this article nor is TMS endorsed or sponsored by the originator. “GO TO ORIGINAL” links are provided as a convenience to our readers and allow for verification of authenticity. However, as originating pages are often updated by their originating host sites, the versions posted may not match the versions our readers view when clicking the “GO TO ORIGINAL” links. This site contains copyrighted material the use of which has not always been specifically authorized by the copyright owner. We are making such material available in our efforts to advance understanding of environmental, political, human rights, economic, democracy, scientific, and social justice issues, etc. We believe this constitutes a ‘fair use’ of any such copyrighted material as provided for in section 107 of the US Copyright Law. In accordance with Title 17 U.S.C. Section 107, the material on this site is distributed without profit to those who have expressed a prior interest in receiving the included information for research and educational purposes. For more information go to: http://www.law.cornell.edu/uscode/17/107.shtml. If you wish to use copyrighted material from this site for purposes of your own that go beyond ‘fair use’, you must obtain permission from the copyright owner.


There are no comments so far.

Join the discussion!

We welcome debate and dissent, but personal — ad hominem — attacks (on authors, other users or any individual), abuse and defamatory language will not be tolerated. Nor will we tolerate attempts to deliberately disrupt discussions. We aim to maintain an inviting space to focus on intelligent interactions and debates.

*

code

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.