(Português) JBS É Acusada de Mentir sobre Comprometimento Contra o Desmatamento

ORIGINAL LANGUAGES, 23 Nov 2020

David Arioch | Vegazeta – TRANSCEND Media Service

“O compromisso da JBS é insuficiente, simplesmente o mais recente em uma longa linha de compromissos públicos sem continuidade” (Fotos: JBS/Greenpeace)

20 nov 2020 – A organização ambiental Mighty Earth está acusando a brasileira JBS, maior indústria de processamento de carne do mundo, de ser mentirosa ao anunciar um compromisso de zerar sua contribuição ao desmatamento da Amazônia não comprando mais gado criado em áreas ilegais.

Segundo a Mighty Earth, embora a JBS tenha conquistado manchetes positivas na imprensa brasileira recentemente, a empresa vem falando há mais de dez anos que deixará de comprar gado de áreas desmatadas, no entanto, a situação não mudou de lá pra cá.

“O compromisso da JBS é insuficiente, simplesmente o mais recente em uma longa linha de compromissos públicos sem continuidade”, critica a Mighty Earth, acrescentando que nenhuma outra atividade gera tanto desmatamento no Brasil quanto a pecuária.

A organização também avalia o suposto compromisso com a Amazônia como pouco significativo diante do tamanho da cadeia de abastecimento da JBS, que também recebe gado de outros biomas que sofrem com o desmatamento ilegal – como é o caso do Cerrado.

Defender apenas a Amazônia não é suficiente

“Mais de 50% do gado para exportação da JBS vem de fora da Amazônia, de lugares onde não há políticas [consistentes] ou monitoramento em vigor. Esse número é provavelmente maior para toda a cadeia de suprimentos. O compromisso também exclui qualquer preocupação com o desmatamento legal de acordo com a legislação brasileira, apesar dos impactos significativos sobre a biodiversidade, as populações locais e as mudanças climáticas.”

Nesse ritmo, a ONG prevê que a criação de gado pode provocar um desmatamento equivalente a duas vezes a área da Suécia.

“No ritmo atual de desmatamento, até 2025 – quando a JBS planeja monitorar efetivamente uma pequena parte de sua cadeia de suprimentos na Amazônia – mais de 25 mil quilômetros quadrados terão sido desmatados somente no Cerrado”, avalia.

E acrescenta: “Uma área do tamanho da Bélgica, lar de uma biodiversidade insubstituível, de comunidades indígenas e valiosos sumidouros de carbono, será perdida. Isso é terrivelmente insuficiente.”

A Mighty Earth também diz que é preciso responsabilizar os grandes compradores da carne produzida pela JBS, que inclui as grandes redes de supermercados.

“Supermercados e outros varejistas continuam a ignorar o verdadeiro custo das violações ambientais e de direitos humanos da JBS. É preciso enviar um sinal claro de que fazer negócios dessa forma não deve ser mais tolerado. Ninguém quer fazer compras em um local que faz negócios com destruidores de florestas.”

_____________________________________________

 

David Arioch é jornalista profissional, historiador e especialista em jornalismo cultural, histórico e literário.

 

Go to Original – vegazeta.com.br


Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

 

Share this article:


DISCLAIMER: The statements, views and opinions expressed in pieces republished here are solely those of the authors and do not necessarily represent those of TMS. In accordance with title 17 U.S.C. section 107, this material is distributed without profit to those who have expressed a prior interest in receiving the included information for research and educational purposes. TMS has no affiliation whatsoever with the originator of this article nor is TMS endorsed or sponsored by the originator. “GO TO ORIGINAL” links are provided as a convenience to our readers and allow for verification of authenticity. However, as originating pages are often updated by their originating host sites, the versions posted may not match the versions our readers view when clicking the “GO TO ORIGINAL” links. This site contains copyrighted material the use of which has not always been specifically authorized by the copyright owner. We are making such material available in our efforts to advance understanding of environmental, political, human rights, economic, democracy, scientific, and social justice issues, etc. We believe this constitutes a ‘fair use’ of any such copyrighted material as provided for in section 107 of the US Copyright Law. In accordance with Title 17 U.S.C. Section 107, the material on this site is distributed without profit to those who have expressed a prior interest in receiving the included information for research and educational purposes. For more information go to: http://www.law.cornell.edu/uscode/17/107.shtml. If you wish to use copyrighted material from this site for purposes of your own that go beyond ‘fair use’, you must obtain permission from the copyright owner.


There are no comments so far.

Join the discussion!

We welcome debate and dissent, but personal — ad hominem — attacks (on authors, other users or any individual), abuse and defamatory language will not be tolerated. Nor will we tolerate attempts to deliberately disrupt discussions. We aim to maintain an inviting space to focus on intelligent interactions and debates.

*

code

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.