(Português) Um Jornalismo de Paz Não É um “Jornalismo Bonzinho”, e É por Ele que Francisco Quer Lutar

IN ORIGINAL LANGUAGES, 14 May 2018

Alexandra Antunes | Sapo 24 – TRANSCEND Media Service

Notícias Falsas e Jornalismo de Paz [com alusão ao Prof. Johan Galtung]

Este é o tema do 52.º Dia Mundial das Comunicações Sociais, proposto pelo Papa Francisco e celebrado hoje, 13 de maio — porque o termo “fake news” pode ser recente, mas a prática remonta às origens, já no Génesis se falava disso.

13 maio 2018 – Entre 1962 e 1965 ocorreu o Concílio Vaticano II, convocado pelo Papa João XXIII, que haveria de participar apenas na primeira sessão, sendo as restantes três presididas pelo seu sucessor, o Papa Paulo VI. Participaram mais de dois mil bispos de todo o mundo que procuraram atualizar a doutrina da Igreja Católica, tendo em conta a sociedade contemporânea. Com temas variados — desde aspetos litúrgicos à relação com as religiões não-cristãs —, saíram deste encontro 16 documentos: quatro constituições, nove decretos e três declarações.

Um dos decretos incide sobre os meios de comunicação social e tem como título “Inter Mirifica”, datando de 4 de dezembro de 1963. Nele é referido que os meios de comunicação social “podem atingir e mover não só cada um dos homens mas também as multidões e toda a sociedade humana”, podendo também ser considerados um instrumento da Igreja para “pregar a mensagem de salvação”.

Neste sentido, e para que o documento e os conceitos nele presentes não fossem esquecidos, foi implementado um Dia Mundial que “deve celebrar-se em cada ano em todas as dioceses do mundo, a juízo do Bispo”. Assim, há 52 anos que o Papa decreta o Dia Mundial das Comunicações Sociais, celebrado na solenidade da Ascensão, 40 dias depois da Páscoa (embora agora assinalada liturgicamente, em alguns países, no domingo seguinte).

A 24 de janeiro de cada ano, dia de São Francisco de Sales — padroeiro dos jornalistas, escritores e de quem trabalha nos meios de comunicação — o Papa deixa uma mensagem para o Dia Mundial das Comunicações Sociais, definindo também um tema.

Celebrado este ano a 13 de maio de 2018, o tema do Dia Mundial das Comunicações Sociais é inspirado num versículo do Evangelho de São João: “A Verdade vos tornará livres (Jo 8, 32). Fake news e jornalismo de paz”. Com este apelo para “prevenir a difusão das notícias falsas e para redescobrir o valor da profissão jornalística e a responsabilidade pessoal de cada um na comunicação da verdade”, o Papa Francisco pretende chamar a atenção para o mundo que nos rodeia.

A história das “fake news” não é nova, também está escrita no Génesis

Para Francisco, as notícias falsas podem ser definidas como “informações infundadas, baseadas em dados inexistentes ou distorcidos, tendentes a enganar e até manipular o destinatário”. Por isso, é preciso olhar com atenção e perceber quando isto acontece.

“Não é tarefa fácil, porque a desinformação se baseia muitas vezes sobre discursos diversos, deliberadamente evasivos e subtilmente enganadores, valendo-se por vezes de mecanismos refinados. Por isso, são louváveis as iniciativas educativas que permitem aprender como ler e avaliar o contexto comunicativo, ensinando a não ser divulgadores inconscientes de desinformação, mas atores da sua descoberta”, lê-se na mensagem.

A técnica das notícias falsas segue a “lógica da serpente”, diz o Papa.

“Trata-se da estratégia utilizada pela serpente — «o mais astuto de todos os animais», como diz o livro do Génesis (cf. 3, 1-15) — a qual se tornou, nos primórdios da humanidade, artífice da primeira fake news, que levou às trágicas consequências do pecado, concretizadas depois no primeiro fratricídio (cf. Gn 4)”.

Olhando para a atualidade, como ligar tudo isto às fake news? O Papa Francisco considera que

“este episódio bíblico revela assim um facto essencial para o nosso tema: nenhuma desinformação é inofensiva; antes pelo contrário, fiar-se daquilo que é falso produz consequências nefastas. Mesmo uma distorção da verdade aparentemente leve pode ter efeitos perigosos”, referiu.

Estas notícias “propagam-se com grande rapidez e de forma dificilmente controlável”, pelo que é preciso agir. É preciso “educar para a verdade”, diz o Papa. E é precisamente isso que espelha o Evangelho de São João, quando é referido “a Verdade vos tornará livres”.

O convite para um jornalismo de paz

Lutar contra as notícias falsas não é impossível. Para Francisco,

“o melhor antídoto contra as falsidades não são as estratégias, mas as pessoas: pessoas que, livres da ambição, estão prontas a ouvir e, através da fadiga dum diálogo sincero, deixam emergir a verdade; pessoas que, atraídas pelo bem, se mostram responsáveis no uso da linguagem”.

É aqui que o jornalista, “guardião das notícias”, tem um papel fulcral, diz.

“No mundo atual, ele não desempenha apenas uma profissão, mas uma verdadeira e própria missão. No meio do frenesim das notícias e na voragem dos furos jornalísticos, tem o dever de lembrar que, no centro da notícia, não estão a velocidade em comunicá-la nem o impacto sobre a audiência, mas as pessoas. Informar é formar, é lidar com a vida das pessoas”.

Por isso, Francisco deixa um apelo à Comunicação Social.

“Desejo convidar a que se promova um jornalismo de paz, sem entender, com esta expressão, um jornalismo ‘bonzinho’, que negue a existência de problemas graves e assuma tons melífluos. Pelo contrário, penso num jornalismo sem fingimentos, hostil às falsidades, a slogans sensacionalistas e a declarações bombásticas; um jornalismo feito por pessoas para as pessoas e considerado como serviço a todas as pessoas, especialmente àquelas — e, no mundo, são a maioria — que não têm voz”, pede Francisco.

É preciso “um jornalismo que não se limite a queimar notícias, mas se comprometa com a procura das causas reais dos conflitos, para favorecer a sua compreensão e a sua superação através de processos virtuosos; um jornalismo empenhado a indicar soluções alternativas ao aumento do clamor e da violência verbal”, conclui o Papa Francisco.

Go to Original – 24.sapo.pt

 

Share this article:


DISCLAIMER: In accordance with title 17 U.S.C. section 107, this material is distributed without profit to those who have expressed a prior interest in receiving the included information for research and educational purposes. TMS has no affiliation whatsoever with the originator of this article nor is TMS endorsed or sponsored by the originator. “GO TO ORIGINAL” links are provided as a convenience to our readers and allow for verification of authenticity. However, as originating pages are often updated by their originating host sites, the versions posted may not match the versions our readers view when clicking the “GO TO ORIGINAL” links. This site contains copyrighted material the use of which has not always been specifically authorized by the copyright owner. We are making such material available in our efforts to advance understanding of environmental, political, human rights, economic, democracy, scientific, and social justice issues, etc. We believe this constitutes a ‘fair use’ of any such copyrighted material as provided for in section 107 of the US Copyright Law. In accordance with Title 17 U.S.C. Section 107, the material on this site is distributed without profit to those who have expressed a prior interest in receiving the included information for research and educational purposes. For more information go to: http://www.law.cornell.edu/uscode/17/107.shtml. If you wish to use copyrighted material from this site for purposes of your own that go beyond ‘fair use’, you must obtain permission from the copyright owner.


There are no comments so far.

Join the discussion!

We welcome debate and dissent, but personal — ad hominem — attacks (on authors, other users or any individual), abuse and defamatory language will not be tolerated. Nor will we tolerate attempts to deliberately disrupt discussions. We aim to maintain an inviting space to focus on intelligent interactions and debates.

*

code