(Português) Brasil: O Preço da Gota d’Água

ACTIVISM, NONVIOLENCE, BRICS, LATIN AMERICA & THE CARIBBEAN, JUSTICE, CAPITALISM, DEVELOPMENT, ORIGINAL LANGUAGES, 24 Jun 2013

Luís Leiria, Esquerda – TRANSCEND Media Service

Vinte centavos de aumento fizeram transbordar “um pote até aqui de mágoa”, como diz a canção.

Pergunta a circular no Brasil: qual o preço da gota d’água? Resposta: 20 centavos. A gota d’água é aquela que faz transbordar o copo, como na canção de Chico Buarque. Os 20 centavos são o aumento das passagens dos transportes de S. Paulo que despoletaram as maiores manifestações de rua no país desde que, em 1992, um grande movimento liderado pela juventude provocou a queda do presidente Fernando Collor.

Quem, como os portugueses, está longe do país irmão e inveja o pleno emprego que existe atualmente no Brasil, o crescimento do seu PIB e do mercado interno, quem vê Portugal invadido por turistas brasileiros de classe média com enorme poder de compra e a achar que aqui é tudo barato, não percebe nada. Mas então o Brasil não está melhor que nunca? A presidente Dilma não tem o maior apoio de sempre? O Brasil não é agora um país rico? De que se queixam, então? De 20 centavos?

Não, não é de 20 centavos (apenas), tal como os turcos não se queixam (só) da destruição do Parque Gezi de Istambul.

Os manifestantes queixam-se, em primeiro lugar, do preço exorbitante dos transportes públicos, num país onde praticamente não há passes sociais e muitos milhares de trabalhadores andam horas a pé diariamente para poupar o preço da passagem ou dormem na rua, durante a semana, porque não têm dinheiro para ir dormir a casa. E, já agora, sofrem com a péssima qualidade de um serviço que é quase totalmente prestado por concessionários privados que tiram dele enormes lucros.

Mas as queixas não vão apenas para os transportes.

O país que vai sediar o Mundial de futebol e as Olimpíadas e está a gastar rios de dinheiro com estádios é o mesmo que está em 88º lugar no ranking mundial da educação, entre 126 países, ficando atrás de Honduras, Equador e Bolívia. O mesmo país em que o salário dos professores é uma vergonha, e quando estes se mobilizam são tratados com repressão. O mesmo país em que o serviço público de saúde é só para os mais pobres dos pobres, e toda a classe média, mesmo a baixa, tem um plano de saúde privado, se quer sobreviver.

Por isso a palavra de ordem “da Copa eu abro mão, quero dinheiro para saúde e educação!”, tão gritada nas manifestações do “país do futebol” é realmente popular e sentida.

E finalmente, queixam-se da falência do sistema político. Sempre que há eleições no Brasil parece que a grande disputa é entre a direita (PSDB) e a esquerda (PT e aliados). Deixando de lado o facto de que entre os aliados do PT estão partidos que fariam corar de vergonha o CDS português, de tão conservadores que são, o sistema político realmente existente surge quando eventos como o dos protestos de S. Paulo ocorrem. O governador de S. Paulo é do PSDB; o prefeito (presidente da câmara) da capital é do PT. Mas ambos defenderam o aumento dos preços dos transportes, ambos defenderam a repressão, ambos acusaram os manifestantes de baderneiros (desordeiros) e vândalos, ambos disseram que não negociavam com violência. Só que a violência era a da polícia, não dos manifestantes.

Também se queixam do tratamento dado pelos média aos movimentos sociais, como o que organiza os protestos contra o aumento dos preços dos transportes. A Folha de S. Paulo, o principal jornal do estado, só parou de insultar os manifestantes e de responsabilizá-los de toda a violência quando no dia 13 de junho teve quase uma dezena de repórteres feridos pelas cargas policiais. A história é antiga e repete-se ciclicamente. Quando, em 1984, a ditadura caiu pela força das mobilizações das “Diretas Já”, a rede Globo, no início, ignorava concentrações de centenas de milhares de pessoas. Era como se não existissem. Daí nasceu o slogan “O povo não é bobo, fora a rede Globo!”, que mais uma vez foi gritado em S. Paulo esta segunda-feira, quando a equipa da reportagem da Globo foi expulsa da manifestação.

Tudo isto foi enchendo o copo. Transbordou com uma gota d’água de 20 centavos.

Go to Original – esquerda.net

 

Share this article:


DISCLAIMER: The statements, views and opinions expressed in pieces republished here are solely those of the authors and do not necessarily represent those of TMS. In accordance with title 17 U.S.C. section 107, this material is distributed without profit to those who have expressed a prior interest in receiving the included information for research and educational purposes. TMS has no affiliation whatsoever with the originator of this article nor is TMS endorsed or sponsored by the originator. “GO TO ORIGINAL” links are provided as a convenience to our readers and allow for verification of authenticity. However, as originating pages are often updated by their originating host sites, the versions posted may not match the versions our readers view when clicking the “GO TO ORIGINAL” links. This site contains copyrighted material the use of which has not always been specifically authorized by the copyright owner. We are making such material available in our efforts to advance understanding of environmental, political, human rights, economic, democracy, scientific, and social justice issues, etc. We believe this constitutes a ‘fair use’ of any such copyrighted material as provided for in section 107 of the US Copyright Law. In accordance with Title 17 U.S.C. Section 107, the material on this site is distributed without profit to those who have expressed a prior interest in receiving the included information for research and educational purposes. For more information go to: http://www.law.cornell.edu/uscode/17/107.shtml. If you wish to use copyrighted material from this site for purposes of your own that go beyond ‘fair use’, you must obtain permission from the copyright owner.


Comments are closed.

Read more

Click here to go to the current weekly digest or pick another article:

ACTIVISM:

NONVIOLENCE:

BRICS:

LATIN AMERICA & THE CARIBBEAN:

JUSTICE:

CAPITALISM:

DEVELOPMENT:

ORIGINAL LANGUAGES: